15 de jan de 2008

AMANHÃ (Guilherme Arantes)

Amanhã, será um lindo dia
Da mais louca alegria que se possa imaginar
Amanhã, redobrada a força
Pra cima que não cessa
Há de vingar.

Amanhã, mais nenhum mistério
Acima do ilusório, o astro-rei vai brilhar
Amanhã, a luminosidade
Alheia a qualquer vontade
Há de imperar, há de imperar...

Amanhã, está toda a esperança
Por menor que pareça, existe e é pra vicejar
Amanhã, apesar de hoje,
Será a estrada que surge
Pra se trilhar.

Amanhã, mesmo que uns não queiram
Será de outros que esperam ver o dia raiar
Amanhã, ódios aplacados,
Temores abrandados,
Será pleno...

Bela composição, sou suspeito para falar, porque gosto muito do seu autor. Falando-se em Língua Portuguesa, há vários elementos para serem analisados. Por exemplo, numa prova de concurso público, como poderíamos classificar sintaticamente o vocábulo Amanhã, em todas as situações?
A idéia inicial é sempre dizermos SUJEITO. Isso ocorre porque ficamos com a idéia de que esse termo tem que aparecer antes, na oração. Cuidado. Aqui, Amanhã nada mais é do que Adjunto Adverbial de Tempo, representando a Classe Gramatical Advérbio. Se fizermos a pergunta "Quando?", teremos sempre Amanhã como resposta. Além disso, caso fosse sujeito, as vírgulas depois do vocábulo teriam que ser suprimidas (não se separa, com vírgula, sujeito e verbo).
Outro aspecto a ser observado são os vários períodos compostos por subordinação que integram a composição. Ou seja, frases como "Amanhã será um dia da mais louca alegria que se possa imaginar" são classificadas como período composto por subordinação, observada a quantidade de verbos. Além disso, o termo "que se possa imaginar" só passa a ter sentido quando agregada à oração anterior, tida como principal. Aqui, a oração subordinada tem caráter de qualificadora do vocábulo "Alegria". Portanto, Oração Subordinada Adjetiva Restritiva. É importante ressaltar que hoje em dia, se cobra mais o sentido do que a classificação sintática, é ele que passa a constituir prioridade para medir a capacidade de compreensão dos alunos.
Um terceiro e último aspecto que gostaria de analisar é o vocábulo composto astro-rei. Como seria a sua flexão de número? Como se trata de dois substantivos, astro e rei, e como o segundo NÃO delimita nem especifica o primeiro, os dois são flexionados. Por isso, o plural é: astros-reis.
Até a próxima análise, postem seus comentários, tirem dúvidas, esse blog só terá sentido com a integração de vocês.

Nenhum comentário: