27 de set de 2008

OPINIÃO

Publico, a seguir, artigo de autoria do amigo Théo Alves, grande profissional da Língua Portuguesa, comentando as reformas em nosso idioma. O motivo maior dessa publicação, além da função informativa, é que Théo é um daqueles caras que escrevem exatamente o que eu gostaria de escrever. De uma forma crítica, ele aborda o assunto que já tem preocupado muitas pessoas interessadas em continuar utilizando, de maneira adequada, essa língua tão diversificada e complexa.

Discutindo a Reforma Ortográfica da Língua Portuguesa


por Theo G. Alves

É verdade que as coisas mudam e que não é possível parar no tempo sem ser atropelado pelo caminhão das horas. A língua é, por natureza, um construto humano, uma ferramenta de comunicação social e por isso fadada a mudar continuamente. Dessa forma, querer barrar as mudanças de uma língua – dentro de si mesma e a partir de suas várias linguagens possíveis – é sempre uma tentativa vã.

Outra verdade indiscutível é que a língua muda primeiro na boca de seus falantes, que é dinâmica, viva e instável. A língua escrita é imóvel, um latifúndio, ainda que produtivo. Na modalidade escrita as mudanças são lentas, muito lentas, embora sejam cada vez mais freqüentes. Seria absurdo escrever hoje uma carta para um amigo distante como Caminha escreveu para El-Rei. Escrever uma carta nestes tempos de e-mails, messengers e celulares já parece por si só um absurdo. É por isso que as mudanças que a língua sofre na rua, em casa, nos bares, nas escolas, etc., chegam muito tardiamente aos documentos escritos. Em verdade, são sempre inovações velhas.

Foi dado início ao processo de padronização da escrita em todos os países de expressão portuguesa: Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Timor Leste e São Tomé e Príncipe. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, nome oficial do documento, começou a ser discutido ainda em 1990 e só agora recebeu anuência por parte dos integrantes do pequeno grupo de lusófonos (com o perdão da má palavra) mundo afora. Esta mudança é menos radical e traumática que outras, como a de 1971, no entanto o acesso às mídias e a discussão do tema parecem ter ampliado a repercussão dos fatos.

Segundo as estatistícas divulgadas pela Folha de São Paulo, as alterações não devem atingir mais que 2% do vocabulário da língua portuguesa, no entanto há mudanças que poderão ser sentidas de forma muito direta, como nos ditongos abertos "ei" e "oi" de palavras paroxítonas (“assembléia” e “herói”, por exemplo, passarão a ser “assembleia” e “heroi”). Há também a oficialização de mudanças que já ocorreram na escrita do dia-a-dia, caso da abolição oficial do trema (o que não quer dizer que quem comeu “lingüiça” a vida inteira vá precisar mudar a maneira de falar ao pedir o prato numa churrascaria).

Um dos pontos a serem discutidos sobre a reforma é sua utilidade, bem como sua necessidade. O argumento – para não chamar de desculpa – para justificar a mudança é que a uniformização da língua permitirá uma troca de informações maior entre os países que falam português. Mas não há quem me faça crer que o fluxo de informações aumentará porque, tanto brasileiros quanto portugueses, por exemplo, terão um mesmo “objetivo”, em vez de um deles ter um “objectivo” próprio. Para mim, a desculpa é fraca.

Imagina-se que as mudanças precisem de pelo menos mais dois anos para serem absorvidas pelo mercado editorial, mas na prática algumas delas já estão em uso, outras jamais estarão. E, podem ter certeza, a língua pode ser a mesma, mas a linguagem jamais será: brasileiros, portugueses, angolanos, cabo-verdianos, etc., têm cada um sua própria lógica, sua maneira peculiar de pensar e arrumar a língua. E não há reforma que ponha abaixo a diversidade cultural.

Nenhum comentário: