11 de jan de 2009

ANTES E DEPOIS DA REFORMA ORTOGRÁFICA

As mudanças na ortografia e acentuação da Língua Portuguesa, mesmo que pareçam mínimas, poderão causar estranheza nos primeiros meses de adaptação. Publicarei trechos escritos nas duas versões, para termos idéia (ou ideia?) de como as mudanças serão encaradas pelos usuários da língua.

Trecho 1

A idéia de que podemos ser sobrenaturais não me parece um vôo interessante. Alguns, como eu, crêem que todas as pessoas têm uma capacidade que se observa mais. A ninguém é dado o direito de estar acima do bem e do mal. Todo mundo pára, nem que seja por uma hora. (versão antiga)


A ideia(1) de que podemos ser sobrenaturais não me parece um voo (2) interessante. Alguns, como eu, creem (3) que todas as pessoas têm uma capacidade que se observa mais. A ninguém é dado o direito de estar acima do bem e do mal. Todo mundo para (4), nem que seja por uma hora. (versão após a reforma)

(1) Saem os acentos dos ditongos abertos ÉI e ÓI das paroxítonas, como o caso de idéia;
(2) Os acentos nos hiatos com vogais repetidas (oo) são eliminados;
(3) As formas verbais CRÊEM, LÊEM e semelhantes perderão os acentos circunflexos;
(4) A forma verbal PÁRA (3ª pessoa do singular) perde o acento diferencial.

Trecho 2

Ser heróico é ser muito diferente do que acham. Heróicos são os trabalhadores que acordam extremamente cedo para enfrentar um dia de trabalho estressante, sem tempo de lêem pelo menos o que está escrito no jornal. O pior é que muitos deles, em seu ambiente laboral, não dispõem de uma infra-estrutura mínima para desenvolver suas atividades, aqui ou no Pólo Norte. (versão antiga).

Ser heroico (1) é muito diferente do que as pessoas pensam. Heroicos são os trabalhadores que acordam extremamente cedo para enfrentar um dia de trabalho estressante, sem leem (2) pelo menos o que está escrito no jornal. O pior é que muitos deles, em seu ambiente laboral, não dispõem de uma infraestrutura (3) mínima para desenvolver suas atividades, aqui ou no Polo (4) Norte (versão após a reforma).

(1) Saem os acentos dos ditongos abertos ÉI e ÓI das paroxítonas, como o caso de heróico;
(2) As formas verbais CRÊEM, LÊEM e semelhantes perderão os acentos circunflexos;
(3) Quando os prefixos terminarem em vogal diferente da que inicia o radical, não será utilizado o hífen, como o caso de Infra-estrutura, que passará a grafar-se Infraestrutura;
(4) Desaparece o acento diferencial da palavra PÓLO, que era empregado em oposição a POLO (preposição em desuso).

São muitas regras, mas elas sozinhas não resolverão. Mais do que nunca a leitura será fundamental para este período de adaptação. Decorar uma série de convenções não deverá ajudar muito, como sempre. Esta familiarização com as novas formas de escrever acontecerá gradativamente, e até 2012 o usuário da língua terá para atualizar-se.

5 comentários:

Anônimo disse...

ai kra isso me ajudou mesmo vlw ai, blz
era pah umtrabalho de escola e vc me ajudo mesmo vlw.

Anônimo disse...

Era exatamente isso que precisava.

Anônimo disse...

Obrigada pelo seu trabalho , me ajudou muito. De verdade!

Carioca do Bem disse...

Os concursos ainda estão utilizando a ortografia anterior à reforma de 2009, pois a obrigatoriedade será apenas a parti de jan.2016.
Por isso essa postagem foi tão útil.
Obrigado !

CASSILDO SOUZA disse...

É, o período de transição seria até 31.12.2013. Depois adiaram por 2 anos, até 31.12.2015. A partir de 1º de janeiro de 2016, a ortografia válida será apenas a nova. O concurso da CAIXA, por exemplo, aceitará - na redação argumentativa - ambas as ortografias. O candidato poderá optar.
Obrigado por acessar.