14 de out de 2009

REVISÃO DA CENTRAL DE CURSOS - QUESTÕES RESOLVIDAS

Ontem à noite, teve início o ciclo de revisões da Central de Cursos. Nos dois primeiros horários, houve as disciplinas de Língua Portuguesa e Redação, e nas 3ª e 4ª aulas, Karlo Sérgio trabalhou Física.
Em nosso caso específico, a primeira parte englobou Interpretação de texto e Gramática, e no segundo momento, trabalhamos a parte direcionada à produção de textos. Foram disponibilizadas questões de diversas instituições, algumas das quais comentamos a seguir, com a numeração original do material de revisão:
QUESTÃO 26. (UFRN) Considere o trecho:

“Foste assaltado(1). Bem, a primeira coisa a dizer é que isso não chega a ser um fato excepcional (2). Excepcional é ganhar um bom salário, acertar a loto: mas ser assaltado é uma experiência que faz parte do cotidiano de qualquer cidadão brasileiro (3). Os assaltantes são democráticos: não discriminam idade, nem sexo, nem cor, nem mesmo classe social – grande parte das vítimas é das vilas populares(4).
É claro que na hora não pensaste nisso. Ficaste chocado com a fria brutalidade com que o delinqüente te ordenou que lhe entregasse a bicicleta [...].”

Pode-se afirmar que o elemento lingüístico em destaque refere-se às informações contidas:
A) nos três últimos períodos do primeiro parágrafo.
B) nos quatro períodos do primeiro parágrafo.
C) nos dois primeiros períodos do primeiro parágrafo.
D) nos três primeiros períodos do primeiro parágrafo.
RESPOSTA: A. O parágrafo possui 4 períodos, conforme indicado nos parênteses. O elemento nisso relaciona-se com o verbo pensar. E a pessoa assaltada, neste caso específico, não pensou que essa prática"não chega a ser um fato excepcional"; que "excepcional é ganhar um bom salário, acertar a loto" e que "os assaltantes são democráticos". Trechos que coincidem com os três últimos períodos do parágrafo analisado. O primeiro período "foste assaltado" não está incluído no termo referencial nisso, já que não haveria razão para a vítima do assalto esquecer que foi assaltado, deixando de pensar nesse fato. Por isso, a referência não considera a oração inicial, mas os períodos seguintes.

QUESTÃO 27.(UFRN) Considere o trecho:

“Entregaste e fizeste bem: outros pagaram com a vida a impaciência, a coragem ou até mesmo o medo [...].”

No período acima, o apagamento dos dois-pontos implicará o uso de uma conjunção/locução conjuntiva a fim de explicitar a correta relação semântica que se estabelece entre as orações por eles interligadas.

Feita a substituição devida desse sinal de pontuação (sem que se altere o sentido original), o período deverá ser reescrito da seguinte forma:

A) Entregaste e fizeste bem, logo outros pagaram com a vida a impaciência, a coragem ou até mesmo o medo.
B) Entregaste e fizeste bem, assim como outros pagaram com a vida a impaciência, a coragem e até mesmo o medo.
C) Entregaste e fizeste bem, porque outros pagaram com a vida a impaciência, a coragem ou até mesmo o medo.
D) Entregaste e fizeste bem, à medida que outros pagaram com a vida a impaciência, a coragem ou até mesmo o medo.
RESPOSTA: C. Questão típica de período composto, na qual o aluno precisa entender o sentido muito mais do que os termos gramaticais. Os dois-pontos estão, digamos, ocupando o lugar de um conectivo que, neste caso, tem idéia de causa. A segunda oração é motivo, causa, justificativa da primeira e os articuladores que expressam tal idéia são porque, pois, tendo em vista que, etc. Na alternativa "A", logo indica conclusão; na "B", assim como indica comparação; e na "D", à medida que indica proporção.

QUESTÃO 29. (UFRN) “Deixa-me dizer-te, antes de mais nada, que a tua indignação é absolutamente justa.” (linhas 19 e 20) Mudando-se de tu para você o tratamento dado ao destinatário da carta, o período, de acordo com o registro culto da língua escrita, deverá ser reformulado do seguinte modo:
A) Deixa-me dizê-lo, antes de mais nada, que a sua indignação é absolutamente justa.
B) Deixe-me dizer-lhe, antes de mais nada, que a sua indignação é absolutamente justa.
C) Deixa-me dizer-lhe, antes de mais nada, que a tua indignação é absolutamente justa.
D) Deixe-me dizê-lo, antes de mais nada, que a tua indignação é absolutamente justa.
RESPOSTA: B. Questão aparentemente complexa, mas extremamente simples, para quem entende a diferença entre 2ª e 3ª pessoas e regência dos pronomes oblíquos. Primeiro, o verbo dizer apresenta dupla transitividade (VTDI): dizer "o quê?"(OD) "a quem?"(OI). A primeira resposta é "que a sua (3ª pessoa) indignação é absolutamente justa" (OD), e a segunda é a ele, a ela ou a você, que sempre serão representados pronominalmente por lhe (OI). Então as alternativas que apresentam dizê-lo (dizer + o) estão descartadas, ficando tão-somente letras "B" e "C". Agora, a mudança de 2ª para 3ª pessoa: o pronome tua converte-se em sua e o verbo, no imperativo, muda de deixa (tu) para deixe (você, ele, ela), ficando clara, portanto a resposta.

2 comentários:

Anônimo disse...

Quero o site sem muitos textos,mais multipla escolha ..
se nãao mudar não entro maiis nesse site !!

Anônimo disse...

Muita ignorância desse anônimo. Qualquer concurso hoje não está isento de textos. Frases soltas, sem contextualização, é coisa do passado. Atulize-se!!!