30 de nov de 2009

QUESTÕES COMENTADAS DA UFRN - VESTIBULAR 2010

Comento a seguir algumas questões da prova de Língua Portuguesa, da UFRN, realizada dia 23-11-2009 :

Questão 01 (UFRN 2010)
Leia o período abaixo.
Mal se congestiona o tráfego [...], o fagócito move-se [...].”
Nesse período, o conector Mal exprime noção de
A) tempo e admitiria, em seu lugar, a locução conjuntiva logo que.
B) tempo e seria correto substituí-lo pela locução conjuntiva visto que.
C) modo e é antônimo do advérbio bem.
D) modo e é homônimo do adjetivo mau.


RESPOSTA CLARA: "A". O vocábulo MAL pode atuar em três funções: como SUBSTANTIVO (antecedido de artigo: O MAL); como ADVÉRBIO (indicando modo, maneira, forma) e como CONJUNÇÃO TEMPORAL, indicando um tempo um intervalo breve de tempo entre duas situações. E, indicando TEMPO, como ocorre no caso acima, só poderia ser substituído por LOGO QUE. A expressão VISTO QUE, da alternativa "B", indica CAUSA e, por isso, descartava-se. Letras "C" e "D" seriam automaticamente desconsideradas, pois a palavra aqui analisada não indica MODO.

Questão 02 (UFRN 2010)
Assim como nas três situações que o fragmento apresenta (linhas 4, 6 e 7), o acento grave também está usado adequadamente na opção:
A) A loja onde Rogério trabalha só abre de terça à sábado.
B) A viagem à bordo de uma lancha foi muito cansativa.
C) O automóvel que Valéria comprou é movido à álcool.
D) O requerimento é semelhante àquele que foi indeferido.

RESPOSTA PRÁTICA: "D".
O acento indicativo de crase ou, simplesmente, ACENTO GRAVE, deve ser empregado sempre que houver a contração do A (preposição que sucede a palavra anterior) com outro A que antecede a palavra seguinte (ARTIGO FEMININO ou a primeira letra dos pronomes AQUELE, AQUELA, AQUILO). Assim, descartam-se diretamente as opções "A", "B" e "C" (nas três alternativas, respectivamente, SÁBADO, BORDO e ÁLCOOL são masculinas e não admitem o segundo A, que antecede as palavras femininas). A alternativa correta, "D", traz a preposição A do vocábulo SEMELHANTE ( Semelhante a quê?) seguida de outro A da palavra AQUELE e, portanto, emprega-se corretamente o Acento Grave.

Questão 03 (UFRN 2010)
Corresponde a uma forma desenvolvida da oração reduzida “
Atravessando-o certa tarde
[...]” (linha 5):
A) Certa tarde, a ponto de atravessá-lo.
B) Quando ia atravessá-lo, certa tarde.
C) Certa tarde, enquanto o atravessava.
D) Conquanto o atravessasse, certa tarde.

RESPOSTA SIMPLES: "C".
As orações reduzidas vêm sempre nas formas nominais (INFINITIVO, GERÚNDIO, PARTICÍPIO) e dispensam o uso dos conectivos (Quando, Porque, etc). O verbo deste caso específico encontra-se no GERÚNDIO que, normalmente, indica tempo. Descartam-se as alternativas "A" e "D", que podem significar nessa ordem, NA IMINÊNCIA DE e EMBORA, ou seja, não há temporalidade. Opta-se pela letra "C" porque o teor dá idéia de continuidade, a ação verbal já em processo, aspecto típico do Gerúndio, como em ATRAVESSANDO, enquanto que a letra "B" expressa uma temporalidade definida, sem progressão.

27 de nov de 2009

CONTRARIEDADES HUMANAS

Cassildo
A vida nos ensina sempre a aprender as coisas mais agradáveis. Mesmo sabendo que no mundo acontecem eventos imprevistos, queremos sempre ter em mente que tudo um dia vai mudar. Será, entretanto, que estamos sendo parte dessa provável mudança? O paradoxo chamado Homem assusta tremendamente. Vivenciamos guerras, desastres naturais, desmandos sociais e, contraditoriamente, presenciamos campanhas para desarmamento, luta contra as drogas, contra doenças incuráveis. Testemunhamos os chefes de Estado procurando uma solução para que suas nações encontrem a paz, para que não morra mais ninguém, para que a fome seja digerida.
O mundo é uma rotação estranha, porque os cérebros pensantes não pensam nada e os chamados “loucos” no final estão sempre com a razão. Esses últimos são alvos de críticas e zombaria e o mais intrigante é que quando se consegue perceber a sua racionalidade, já é muito tarde porque não estão mais entre nós.
Talvez por essas e outras coisas é que o mundo nunca vai caminhar em unidade. São aproximadamente 6 bilhões de cabeças diferentes, cada uma com seus caprichos e orgulhos, com suas falhas e fraquezas, mas também com suas qualidades múltiplas. Falar de amor é ser careta, falar do ódio é oportuno e ser diferentemente repudiável é sinal de promoção e crescimento. Nesse sentido, a mídia tem alimentado intensamente a “cachola” humana no sentido de fazer as pessoas pensarem que a qualquer modo podem passar da água ao vinho e se tornarem estrelas.
Mas, o fato é que a busca por uma identidade tem sido cada vez mais acirrada, porque não se propõe a luta por coletividade. Tudo caminha para o único, para o uno, para o maior, nunca para o melhor. A quantidade sobrepõe a qualidade. Número é mais importante do que gesto, conta bancária é mais importante do que afeto e carro importado é mais viável do que pessoas. Refletir é brega e “endoidecer” é “manêro”.

Por mais que tentemos elaborar um quadro de como se acha a Humanidade hoje, vamos sempre esbarrar em questões simples, mas sem resposta. Essa resposta que as pessoas têm buscado não é a melhor solução para nada. Quando se busca algo sem conteúdo, é impossível que se tenha forma necessária ao apogeu da raça mais complicada do planeta: o bicho homem.

25 de nov de 2009

COMENTANDO A PROVA DE REDAÇÃO DA UFRN

Muita gente tem contactado comigo, querendo saber algo sobre a prova de redação da UFRN. Não houve surpresas, pois foi cobrado um ARTIGO DE OPINIÃO, como no ano passado.

Isso significa que o aluno deveria escrever um texto opinativo, com argumentos, estrutura definida em INTRODUÇAO, DESENVOLVIMENTO e CONCLUSÃO e, de preferência, em primeira pessoa do singular ou plural, para diferenciá-lo da DISSERTAÇÃO-ARGUMENTATIVA. Na proposta pedia-se para não assinar e também foi exigido um título. Além dessas duas exigências, este ano estipularam o número de dois argumentos sobre os quais o posicionamento seria desenvolvido, ou seja, dois parágrafos.

Não houve maiores surpresas, a temática era abrangente e exigia do aluno a capacidade de relacioná-la a outros temas, como por exemplo, à segurança pública e à falta de privacidade.

23 de nov de 2009

VESTIBULAR UFRN - 2º DIA: DE NOVO, UM ARTIGO.

Uma dúvida muito grande pairava na cabeça dos alunos que fariam a prova redação hoje, dia 23-11-2009. Será cobrado um artigo ou uma carta argumentativa? Como havíamos antecipado durante o ano nas aulas e, agora, na revisão de de véspera, o fato de o ano passado ter sido exigido um Artigo não impedia que ele fosse repetido esse ano. Não havia uma regra estipulando qual gênero textual seria pedido.
Para aqueles que temiam a carta, nesse aspecto houve alívio. Em relação ao tema, houve uma inovação, preferindo-se abordar a invasão de privacidade, a eterna vigilância que o contexto do mundo atual nos trouxe.
Na prova objetiva de Língua Portuguesa, nada de novidades. Utilizaram-se os textos literários tanto para a parte de Literatura quanto para a Gramática. O acento indicativo de crase foi objeto de uma questão, enquanto que parônimos/homônimos foram o objeto de outra. Na parte interpretativa, tirinha. Quantas vezes orientamos para que observassem bem esse gênero textual e outros correlatos como a charge e o cartum!
Em resumo, quem fez uma preparação correta, assistindo a todas as aulas só terá motivos para comemorar. Agora é esperar o resultado.
Boa sorte a todos. Amanhã ainda haverá as provas discursivas das disciplinas específicas.
Um abraço!
Cassildo.

20 de nov de 2009

PASSAR NO VESTIBULAR É UMA ESCOLHA

Há muita gente aflita com o início do processo seletivo para o ensino superior, mais popularmente conhecido como Vestibular. A apreensão é plenamente justificada, principalmente se o candidato tem consciência daquilo que realizou durante todo o período de preparação. Passar no vestibular não é como numa loteria, ao contrário do que muitos pensam. É uma escolha, a qual depende das metas que cada um traçou para si.


Pois sim. O mundo em que vivemos é bastante impiedoso quanto às oportunidades. Não podemos perder tempo, achando que a qualquer momento a chance baterá à nossa porta, porque não é assim que acontece. No geral, as portas começam a abrir (ou pelo menos deveria ser assim) a partir do momento em que decidimos o que fazer da vida. E esse processo inicia com a escolha de uma área para qual prestaremos o vestibular.


O fato é que até chegarmos ao momento da seleção, toda uma estrutura deve-se ir construindo. A preparação - seja na escola ou nos cursinhos - deve ser encarada como uma coisa sagrada, devem-se renunciar muitos momentos que poderão ser retomados após o suposto sucesso. O comprometimento com as matérias, com as dúvidas, com os detalhes constitui a pré-aceitação do resultado positivo. A partir dali, você já começou a decidir: passarei no vestibular.

Então, àqueles que já fizeram sua pré-aceitação, só tenho a dizer, parabéns. Porque, se a aprovação é uma escolha e não uma conseqüência vaga, não é preciso ficar preocupado com o que virá. Sabemos, é claro, que o processo pode ser injusto em alguns casos, mas ele é especialmente desfavorável aos que não optaram pelo êxito. Não adiantará muito reclamar por aquilo a que não se fez jus e, por esse mesmo motivo, os previamente compromissados com tal sucesso, desejo abraçá-los com toda a felicidade do mundo, por terem escolhido o melhor caminho.

Um abraço a todos os vestibulandos que se submeterão às provas dos dias 22, 23 e 24.

Cassildo.

19 de nov de 2009

ESTRUTURAS DE CARTA E ARTIGO - ÚLTIMA CHAMADA

Publico a seguir conteúdo sobre CARTA ARGUMENTATIVA e ARTIGO DE OPINIÃO. É o último antes do vestibular. Espero que possa ajudar na eliminação de algumas dúvidas antes do processo seletivo para o ensino superior. Esclareço que é um material em primeira mão, nos moldes do que será utilizado na Revisão de Véspera da Central de Cursos, domingo, dia 22 de novembro. Autorizo a reprodução, desde que seja para fins educacionais, não-lucrativos, não se admitindo, por exemplo, a edição em material impresso para comercialização.
Apreciem sem moderação.
Um abraço.

CARACTERÍSTICAS DO ARTIGO DE OPINIÃO

  • Características aproximam-se da DISSERTAÇÃO, principalmente na estrutura INTRODUÇÃO, DESENVOLVIMENTO e CONCLUSÃO e nas estratégias para defender um argumento;
  • Texto a ser publicado em JORNAL, REVISTA, SITE ou BLOG;
  • Opinião do autor (independente da linha do veículo de comunicação);
  • Geralmente se assina com PSEUDÔNIMO indicado pela organizadora do Vestibular (http://centraldasletras.blogspot.com/2008/08/o-que-pseudnimo.html);
  • Se não houver indicação de PSEUDÔNIMO, não se deve assinar o artigo;
  • Deve ser escrito em 1ª pessoa do singular ou plural, evitando-se os exageros.

CARACTERÍSTICAS DA CARTA-ARGUMENTATIVA

  • Texto de cunho ARGUMENTATIVO, em defesa de um posicionamento assumido;
  • Texto com leitor/destinatário específico, por isso deve haver referência ao receptor;
  • Adequação dos pronomes de tratamento;
  • Assinatura deverá ser com PSEUDÔNIMO indicado pela organizadora do Vestibular(http://centraldasletras.blogspot.com/2008/08/o-que-pseudnimo.html);
  • Geralmente, utiliza-se a 1ª pessoa do singular, levando em conta que é um documento mais individual do que a DISSERTAÇÃO-ARGUMENTATIVA.

EXEMPLO DE ARTIGO DE OPINIÃO

TERCEIRO MANDATO: DEMOCRACIA OU REGIME AUTORITÁRIO?

Por Cassildo Souza

Muito tem se falado a respeito de um terceiro mandato para o Presidente Lula. Crescem os rumores de que ele poderá concorrer, mais uma vez, ao cargo maior da Federação. Se isso realmente se concretizar, constituirá uma forma de democracia ou um passo para o autoritarismo?
Muitos são os que defendem a sua permanência no poder, tendo em vista o bom governo que, reconhecidamente, vem fazendo. A economia permanece estável, novos investimentos estão sendo feitos no País e a maioria da população recebe ajuda financeira, por meio de programas sociais criados no governo FHC e reformulados na gestão de Lula. Por isso, a avaliação do segundo mandato alcança números bastante expressivos e não deixa de ser um dos principais fatores que reforçam o desejo de continuar exercendo o cargo.
As opiniões em contrário alegam que a possibilidade de prorrogação do mandato, através de nova eleição, contribuiria para alimentar o autoritarismo fazendo lembrar o regime ditatorial, cujos Presidentes sempre acabavam encontrando um dispositivo para permanecerem no poder mais tempo que o previsto. FHC, forte opositor de Lula, é um desses expoentes contrários à mudança. Para ele, não tem lógica Lula dizer que oito anos é pouco para se fazer o que deseja, pois criticara muito os dois mandatos do representante do PSDB, alegando que ele teve a oportunidade de fazer as reformas necessárias.
Então, qual seria o posicionamento coerente da população, já que os críticos da política brasileira comungam de opiniões diferentes, nos deixando ainda mais confusos? Trata-se de um assunto muito complexo. Precisamos atentar para o fato de que o povo, com o devido esclarecimento, poderá decidir pela continuidade ou não do Chefe do Executivo Nacional. Entendo que, mesmo Lula podendo concorrer ao terceiro mandato, só o ocupará se nós decidirmos assim. E nesse ponto, não podemos falar em excesso de autoridade; há democracia pura. O voto contrário assiste a quem discorda dessa possibilidade, optando por renovar os destinos da sociedade, caso, a seu juízo, se faça necessário.

EXEMPLO DE CARTA-ARGUMENTATIVA


Gravilândia, GV, 25 de dezembro de 2003.


Querida filha,Tenho-a criado da melhor maneira que um pai poderia fazer, considerando as condições por que sempre passamos no decorrer de nossas vidas. Apesar das dificuldades, nunca deixei de lhe dar o melhor de mim, procurei educá-la pensando em garantir um futuro digno para você e futuros descendentes. Entretanto, algumas de suas atitudes têm me incomodado um pouco ultimamente.

Sem querer bancar um pai “careta”, tenho me preocupado muito sobre a maneira como tem encarado as coisas em sua volta. Depois que conheceu aquele seu namorado, você virou a cabeça, jogou tudo para o alto e passou a cometer algumas imprudências: a maior delas, a falta de cuidados na prevenção de doenças ou de uma possível gravidez indesejada. Isso me deixa perplexo, principalmente pelas informações que você teve oportunidade de adquirir esses anos, o que naturalmente exigiria uma atitude totalmente diferente.

Lembre-se, não sou contra a sua maternidade. Aliás, considero o maior privilégio que uma mulher pode ter. Apenas não quero, caso isso venha a se concretizar prematuramente, vê-la desesperada pelos cantos, sem saber como agir pelo fato de não tê-la planejado. Vivemos num mundo recheado de mecanismos que ajudam a prevenir a gravidez, temos camisinha como o método mais conhecido, além de outros que você certamente os conhece. Por isso, peço-lhe que reflita um pouco sobre suas atitudes, você ainda nem concluiu o Ensino Médio, lembra? E o vestibular, o seu sonho de ser jornalista, de brigar pelos direitos dos mais fracos, como sempre dizia almejar quando era criança? Deixou-os de lado? Creio que não.

Filha, às vezes os sonhos podem ser interrompidos por falta de consciência. E é isso que lhe peço como alguém que a ama desde os seus primeiros passos, desde a época em que ainda segurava em sua mão para que andasse sem riscos de cair. Tome mais cuidado, previna-se; não jogue fora os seus anseios, as suas vontades, o seu futuro. Una o útil ao agradável. Divirta-se, sim, mas com prudência. E quanto ao resto, pode contar comigo e com a sua mãe, você sabe que estamos sempre prontos para dizer uma palavra de conforto, de apoio, de amor. Aquele amor insubstituível, que sentimos em nossos corações por essa linda menina que, num piscar de olhos, já virou mulher.

De seu pai que a ama profundamente,

Metódio Contraceptus

12 de nov de 2009

QUESTÕES RESOLVIDAS - EVOLUÇÃO - 11.11.2009

AS DUAS QUESTÕES SEGUINTES FORAM RESOLVIDAS NA AULA DO CURSINHO "EVOLUÇÃO", EM 11.11.2009, E DIZEM RESPEITO AO ACENTO INDICATIVO DA CRASE:

01 (44). (UFPR) Em qual alternativa o vocábulo a deve receber acento grave?
a) pintou o quadro a óleo. b) Fomos a uma aldeia.
c) Dirigiram-se a Vossa Excelência. d) Voltou a casa paterna.
e) Começou a chover.

RESPOSTA: "D". Consideremos que a crase é fenômeno fonológico (sonoro) que representa a fusão de a (preposição) + a (artigo ou primeira letra dos pronomes aquele, aquela e aquilo). Assim, descarta-se a letra "A", pois óleo é masculino; na letra "B", temos preposição a + artigo indefinido uma, também descartando a possibilidade de crase; letra "C", crase proibida diante de pronomes de tratamento; letra "E", crase proibida diante de verbos. Na alternativa que corresponde à resposta (D) temos preposição a, que complementa voltou, mais artigo a exigido pela expressão "casa paterna" (diante dos substantivos casa e terra, só há crase se ambos estiverem especificados).

02(45).UFPR) Em qual das frases o a não deve receber acento grave?
a) Todos se referiam à casa de João. b) Todos aspiravam à posição de João.
c) Todos visavam à exaltação de João. d) Todos se dirigiram à casa de João.
e) Todos pretendiam à amizade de João.

RESPOSTA: "E". A crase presume regência com preposição a em relação ao vocábulo anterior. Isso ocorre em todas as alternativas até a letra "D"; letra "A", "Todos se referiam a + a casa de João (substantivo casa especificado exige artigo a), portanto recebe crase; letra "B", "Todos aspiravam a a posição de João (Aspirar, no sentido de pretender, rege preposição a), portanto, exige crase; letra "C", mesmo caso da anterior; letra "D", idem; na letra "E", o verbo pretender não rege preposição, pois é transitivo direto: "Todos pretendiam a (artigo) amizade de João".

Temos que entender crase como um conteúdo intimamente ligado a regência verbo-nominal. Se a palavra anterior traz a preposição a e a seguinte, o artigo a, certamente haverá crase, salvo nos casos em exceção como substantivos terra e casa.

Espero que tenham compreendido.

Um abraço.

Cassildo.

11 de nov de 2009

SISTEMA DE BUSCA DO BLOG

Adicionei, no presente blog, um sistema de busca (parte superior direita), que permite ao leitor pesquisar qualquer assunto que lhe interessa, postado em mensagens antigas, desde a criação do site. Se, por exemplo, alguém quer um modelo de artigo de opinião, basta escrever a expressão "ARTIGO DE OPINIÃO", que são disponibilizados os locais onde se aborda tal conteúdo, com a opção de acessá-los em página extra, não se saindo da página inicial. Tal ferramenta facilitará muito a pesquisa dos pensam encontrar aqui o que tanto procuram.

Um abraço.

Cassildo

10 de nov de 2009

Salve-se quem puder (Cassildo Souza)

Salve-se quem puder,
Se é que alguém pode sair
Dessa selva de pedra,
De espinhos, de escuridão.

Viva, quem estiver
Alheio ao que está por vir.
Numa vida sem meta
Ninguém pode prosseguir.

Emaranhado de coisas estranhas
Incríveis desandos,
Mudanças tamanhas,
Tremendos abismos, milhões de ismos
Cegueira, miopia, estrabismo.

Água e fogo se juntaram há tempos
Não se consegue distinguir
Bons e maus momentos
Não há parâmetros que definam a luz da escuridão
Não há diferença entre problema e solução.

9 de nov de 2009

SER CONTRA, A FAVOR OU FICAR NEUTRO?


Uma das dúvidas maiores dos alunos que prestarão vestibular, no momento da redação, é o posicionamento a ser assumido. Alguém já me perguntou: "professor, se eu for contra, posso, ainda assim, expor os pontos favoráveis?"


Respondo no ato: "Pode".


O fato de o aluno ser favorável a determinado posicionamento, não o exclui de reconhecer pontos negativos ou contrários àquilo que defende. Todas as propostas de redação tratam de temas polêmicos, e usualmente essas temáticas apresentam idéias controversas. Do mesmo modo, se alguém está posicionando-se contra determinada atitude, também não se pode recriminar o reconhecimento aos aspectos positivos. Ou seja, o importante é que no final do texto, especificamente na conclusão, haja uma clareza. Após tudo que foi debatido, aprofundado ou argumentado, é preciso estabelecer uma definição.


Tanto é assim, que hoje as propostas de redação - por exemplo, as da UFRN - trazem uma terceira opção, a da OPINIÃO PARCIAL. Isso também não significa que o aluno deva "ficar em cima do muro". É que, escolhendo tal opção, ele poderá ser CONTRA ou a FAVOR, mas deverá abordar os pontos controversos no texto, reconhecendo haver pontos aceitáveis que não sejam somente aqueles de sua opinião.


Então, ao posicionar-se A FAVOR DO ABORTO, o aluno que escolher a opção PARCIAL, deverá reconhecer os pontos negativos também; de mesma maneira, ao optar pelo posicionamento PARCIAL, o candidato CONTRA A LEGALIZAÇÃO DAS DROGAS também deverá reconhecer os pontos positivos caso isso viesse a se concretizar.


Por essas razões, sempre que houver três opções: CONTRA / A FAVOR / PARCIALMENTE ou EM PARTE, a melhor estratégia é escolher a terceira, pois é improvável que algum tema só apresente pontos unicamente POSITIVOS ou unicamente NEGATIVOS.


Caso a proposta de redação traga somente duas opções - CONTRA ou A FAVOR - isso também não impede de abordar pontos FAVORÁVEIS e CONTRÁRIOS, desde que fique clara a sua posição FINAL.


Por ora, é isso. Quem sabe eu não poste mais alguma coisa até o fim do dia.


Cassildo.

3 de nov de 2009

Apologia às artes (Cassildo Souza)

Onde posso vou
Buscar a afirmação num firme chão
Pisar as trilhas tortuosas sem aflição
Afeição que eu procuro
No muro de uma canção-poesia, solução
Para a tristeza da alma.
Seguindo as cores de uma sinestesia melódica
Banho as minhas impressões sentimentais
Renovo o viver por entre as artes
Numa plástica emoção de comover-me
Com criações, ilusões, realidades provisórias
Entreabertas diante de minha face.
Assumo identidades esfaceladas do real
Enquanto exploro a última gota de
Sensibilidade leitora que possuo
Para contemplar a genuinidade intelectual
Disposta pelos personagens da imaginação.

AINDA NÃO (CASSILDO)

Ainda não chorei,
Porque quero ir à forra, quando isso acontecer.
Ainda não falei,
Porque quero gritar, quando tiver que me expressar.
Ainda não pedi,
Porque quero ter direito à tudo, quando tudo estiver disponível
Ainda não tremi,
Porque tenho todo o calor em vez do frio,
Ainda não estou,
Porque quero vir totalmente, sem me dispersar
Ainda não fui,
Porque quero viver muito mais do que possa caminhar essa estrada do viver.