1 de mai de 2010

LÍNGUA PORTUGUESA JAMAIS SERÁ ACESSÓRIA

Num modelo de vestibular que "ameaça" se estender pela maioria das universidades brasileiras, com a valorização da interdisciplinaridade, o aluno que percebe mais facilmente as entrelinhas tenderá a sobressair-se em relação aos demais. Agora, mais do que nunca, os que estudam mais, lêem mais, criticam mais, enfim, aqueles que raciocinam mais objetivamente e com conhecimento concreto deverão, em larga escala, ficar com as vagas dos cursos.
Mas não pensem os desavisados que atingir a excelência na interpretação dos enunciados e dos textos dos processos seletivos acontecerá naturalmente, como aprender a andar, por exemplo. Se até essa habilidade requer treinamento, imagine aprender a ler e a escrever com criticidade. A Língua Portuguesa, matéria geralmente preterida, desprezada por um sem número de alunos e algumas dezenas de cursinhos pré-vestibulares ganha corpo, e por essa razão precisa ser colocada numa posição de importância por alguns pseudoalunos e aventureiros de plantão encarregados em ganhar dinheiro de pessoas ingênuas.
Quando se tem um aulão preparatório, seja no meio do curso ou na véspera das provas, o tempo para Língua Portuguesa e Redação praticamente inexiste, é irrisório se comparado ao de outras matérias. Há status diferenciado concedido a disciplinas igualmente importantes e igualmente merecedoras de destaque, mas que sempre são privilegiadas e servem de marketing para quem promove o evento dito preparatório ao vestibular.
Ao aluno cabe a consciência de que Língua Portuguesa sempre foi importante. Não será apenas agora, por causa de tais modificações no modelo do Vestibular. É inviável perceber isso apenas depois da reprovação no vestibular, mas aqueles que não vêem ainda a importância de saber utilizar o nosso código matriz na situação apresentada ou em qualquer outra, revejam seus conceitos, pois a competitividade não espera por ninguém. E lembrem-se: Língua Portuguesa jamais será acessória. Ela é "simplesmente" a língua que falamos.

Boa noite.

Nenhum comentário: