30 de jun de 2010

GENTE ESTRANHA

Sei que não devo ser dos mais indicados para referir-me sobre o assunto que segue, mas mesmo assim, creio ser plausível aquilo que vou abordar. Por que será que tanta gente, sem motivo algum, vive mal-humorada, tem duas caras ou pensa que é dona do mundo?

Tenho os meus dias de fúria, mas encontro motivos para tal. Às vezes não estamos bem, por algo desagradável que tem ocorrido, situação da qual ninguém está livre. Mas, o que dizer daquelas pessoas inconstantes, que estão felicíssimas hoje, e com a "cara amarrada" amanhã? Como nos devemos comportar diante delas?
Eu não tenho a receita e nem quero. Acho que deve haver o mínimo de coerência e estabilidade no relacionamento entre pessoas. Deve existir constância, regularidade, o entendimento de que ninguém tem a obrigação de ser surpreendido por ações inesperadas, quando bem tiverem de acontecer. Por isso, não consigo conviver muito tempo com aqueles que não possuem uma unidade no seu comportamento. É desgastante ter que presumir, antecipar, prever.
Que seja irritado, que seja arrogante, que seja estressado; mas que seja sempre, e que se mudar seja para melhor e continue crescente. Devemos andar e agir com a nossa cara, demonstrando claramente nossos posicionamentos a respeito de tudo, sem precisarmos esconder nossa face ou fazer dela uma "faca de dois" gumes, porque ao outro não cabe saber em que dia da semana o humor é bom ou ruim.

Nenhum comentário: