18 de dez de 2010

MUNDANOS DESASTRES (CASSILDO SOUZA)

Estrondos da rouquidão

Da voz de um míssil letal

Mortal, tiro seco, final

Golpe de misericórdia.

Ervas devastadoras

Que não são nem devastadas

Nem também eliminadas,

Eliminando a razão.

Confusões premeditadas

Esperando o perdão

Sem o arrependimento

Engolindo o momento

Tirando o tempo de cena

Que não faz valer a pena

Vivência contemporânea.

Nenhum comentário: