31 de mar de 2010

HOW MUCH e HOW MANY

Para início de conversa, MUCH e MANY significam MUITO, respectivamente com substantivos INCONTÁVEIS e CONTÁVEIS. O mesmo ocorrerá com HOW MUCH e HOW MANY, que significam QUANTO:
1. HOW MANY STUDENTS ARE THERE AT CLASSROOM?
(Quantos estudantes existem na sala de aula?)
2. HOW MUCH MILK DO YOU NEED TO THE CAKE?
(Quanto leite você precisa para o bolo?)
Em Inglês, diferentemente de Língua Portuguesa, os substantivos contáveis (COUNTABLE NOUNS) e INCONTÁVEIS (UNCOUNTABLE NOUNS) são tratados de forma diferente. Os substantivos contáveis são aqueles que podem ir para o plural, que são concretos, como FRIEND (amigo), CAR (carro), PENCIL (lápis) etc. Os substantivos incontáveis são os que não aparecem com uma forma definida, como MILK (leite), MONEY (dinheiro), WATER (água), SAND (areia), etc.
Percebam que na oração n.º 1, o HOW MANY foi utilizado levando-se em conta que STUDENTS é substantivo contável; no segundo caso, HOW MUCH foi utilizado considerando que MILK é substantivo incontável.
Os dois termos são utilizados também em frases afirmativas.
I KNOW HOW MANY PEOPLE WERE AT THE PARTY (Eu sei quantas pessoas estavam na festa).
I DON'T KNOW HOW MUCH SADNESS IS HIS HEART. (Eu não sei quanta tristeza há em seu coração).
Um abraço.
Cassildo.

CONTINUANDO A "DISCUSSÃO"

Vejamos algumas palavras que, pelo radical, indicam vocábulos derivados. Nestes casos, é possível presumir se a palavra resultante é escrita com "S", "SS", "RS", "Ç", "C":

RETROCEDER - Retrocesso
PROCEDER - Processo
CONCEDER - Concessão
INTERCEDER - Intercessão
CEDER - Cessão
EXCEDER - Excesso.

*Exceção geralmente, por engano, é escrita com SS, como EXCESSO. Ocorre que a correlação dessa palavra deve ser considerada conforme abaixo:
EXCETO - Exceção
CORRETO - Correção
AFETO - Afeição
DIRETO - Direção

Notamos que os vocábulos com radical CED tendem a formar outras palavras escritas com SS. Por outro lado, a palavra EXCEÇÃO correlaciona-se a outros vocábulos e, por isso, tem grafia diferenciada.
Vejamos outra lista de nomes e verbos correlacionados:
INVERTER - Inversão, inverso
CONVERTER - Conversão
REVERTER - Reversão
PERVERTER - Perversão, perverso
Do mesmo modo, percebemos que os vocábulos com radical VERT tendem a derivar vocábulos escritos com RS.
Voltaremos com mais dicas dessa natureza.

29 de mar de 2010

"DISCURSO" OU "DISCUSSO"? "DISCURSÃO" OU "DISCUSSÃO"?

Palavras que geralmente nos confundem, não é verdade?

Na Língua Portuguesa, observar a origem da palavra nunca é demais quando se quer escrever corretamente.
A palavra DISCURSO deriva de DISCORRER, assim como PERCURSO, de PERCORRER; CONCURSO, DE CONCORRER; RECURSO, DE RECORRER. E assim por diante. Portanto, deve ser escrita com RS e não com SS.
A palavra DISCUSSÃO deriva de DISCUTIR, como ADMISSÃO, DE ADMITIR; OMISSÃO, DE OMITIR; EMISSÃO, DE EMITIR; REPERCUSSÃO, DE REPERCUTIR. Nesse caso, a palavra correta é escrita com SS.
Existem várias outras correlações, que veremos em outras postagens.

25 de mar de 2010

LETRAS EMBARALHADAS

(Cassildo Souza)

Minhas letras
Não me tocam
Nem te tocam
Estão hipnotizadas
No papel.

Nunca mais saíram
As metáforas,
As anáforas
As emoções,
As ilusões.

Estão desarrumadas,
Só dispostas,
Impostas
No tábua, sem vida
Sem esperança.

Não só basta a composição
É preciso a intenção
A sensação
Que o leitor preste atenção
Ao que tento dizer.

Quero interagir
Intervir
Que você venha ouvir
E entender
Do que quero convencer.

COMO ESCREVER BEM SEM LER?

Cassildo


Pergunto: como saber de algo que nunca se viu? Como relatar um fato que nunca se presenciou? Como falar daquilo que não se conhece?

Pois é. Tem sido este o questionamento que faço nesses anos dedicados a preparar estudantes para a redação. É impressionante como pensam que o texto apareçará instantaneamente, como se fosse um arquivo baixado da internet, um "download". As pessoas estão mais preocupadas em querer adivinhar o tema do que propriamente saber como se escreve ou informar-se de tudo que anda ocorrendo.
Sem leitura, não há produção textual. Porque essa produção deve nascer do que está acumulado, das experiências, do conhecimento de mundo, do conhecimento teórico - adquirido na e fora da escola - das experiências em geral. Leitura é essencial, para que se tome o devido conhecimento das coisas.
O hábito de ler para poder produzir (entenda-se produzir como, inclusive, discutir sobre diversos temas oralmente) deve começar por aquilo que lhe é mais interessante. Não é necessário ler apenas os textos mais cultos, filosóficos, literários (os quais serão, sempre, essenciais), mas também direcionar-se àquilo que tem mais atrativo para o leitor, a fim de poder iniciar o processo de "habituação" aos livros.
Para quem quer se aventurar nos caminhos da escrita, a matéria-prima principal é a leitura. Sobre os temas que se acharem mais importantes, mas que se leia para que se possa juntar conteúdo concreto e aumentar o repertório vocabular. Somente assim, a pessoa estará habilitada a iniciar o processo de produção textual sem maiores traumas.

FUNÇÕES DA PALAVRA "SE"

Um dos conteúdos que mais aparecem em concursos públicos é a partícula SE e suas funções. Poderá ser utilizada de diversas maneiras, como podemos observar a seguir:


1. Substantivo
: ocorre, nesse caso, a derivação imprópria. Geralmente vem acompanhada de umartigo (elemento responsável pela substantivação dos vocábulos):
O "se" não existe.É preciso ter certeza das coisas.

2. Pronome ou partícula apassivadora
: ocorre sempre quando está acompanhando um VTD (verbo transitivo direto). A oração é transferível à voz passiva e por isso, a nomenclatura do vocábulo "se".
Louva-se o bom profissional. (Voz passiva: O bom profissional é louvado).
VTD

3. Índice ou símbolo de indeterminação do sujeito
: ocorre sempre quando está acompanhando um verbo não transitivo direto ou quando este está com OBJETO DIRETO PREPOSICIONADO. Nesse caso, o sujeito fica impossível de determinar.
Precisa-se de pessoas honestas no Brasil. (Quem precisa de pessoas honestas? Não se sabe).
VTI
Morre-se à míngua a toda hora no País. (Quem morre à míngua? Não se sabe).
VI
Admira-se aos bons profissionais. (Quem admira aos bons profissionais? Não se sabe).
VTD OD Prep.
*Neste caso específico, a forma verbal admira-se é VTD, mas o objeto direto aparece com uma preposição não exigida pelo verbo (a).

4. Pronome reflexivo
: quando a partícula indica que o sujeito é também objeto: pratica e sofre a ação ao mesmo tempo.
Ronaldo contundiu-se no jogo de domingo. (Ronaldo contundiu a ele próprio).
Os namorados se abraçaram no salão. (Quem abraçou também foi, ao mesmo tempo, abraçado).

5.
Parte integrante do verbo: caso em que o verbo é sempre utilizado com a partícula "se".
Eu referi-me aos maus profissionais. (Não se usa, nesse sentido, o verbo referir, sem a partícula "se").
O rapaz suicidou-se porque tinha depressão. (Não se usa o verbo suicidar, sem a partícula "se").

6. Partícula denotativa de realce:
quando o "se" apenas enfatiza o termo, mas em nada altera o sentido.
Eles se vão rapidamente = Eles vão rapidamente.

7. Conjunção subordinativa integrante
: quando a partícula liga duas orações, uma principal e uma subordinada substantiva. Complementa o sentido do verbo da oração principal.
Marcos não sabia / se viria ainda este ano.
O. Principal O. Subcordinada
(Não sabia o quê? a resposta começa com a conjunção "se" que introduz a subordinada).

8. Conjunção subordinativa condicional
: quando o vocábulo "se" introduz uma oração subordinada que indica condição. É substituível, feitos os devidos ajustes, pelas correspondentes caso ou desde que.
Marcos virá / se todos concordarem.
O. Principal O. Subordinada
(caso/desde que todos concordem. Há uma condição para que marcos venha).
Veja como um pequeno vocábulo poderá causar tantas confusões. Por isso, é essencial que se estude essa palavra em seus vários casos.
Um abraço.
Cassildo.

19 de mar de 2010

PROCUREM MAIS!!

Lembro novamente que o nosso blog possui um sistema de busca. Assuntos de Língua Portuguesa já abordamos de todos os tipos. Então, nesses dois últimos anos, todas as postagens estão armazenadas. É só colocar o nome da palavra-chave na caixa do lado superior direito e procurar. Dificilmente não encontrará o que procura, mas se isso acontecer, contate-me e peça para eu colocar um arquivo específico para o assunto.

Um abraço!!

Cassildo!

17 de mar de 2010

PRONOMES RELATIVOS "WHO", "WHOM", "THAT" E "WHICH"

Os pronome reelativos são termos que se relacionam com palavras antecedentes. Em português são representados pelas palavras: QUE (O QUAL e flexões, DE QUE e flexôes, EM QUE e flexôes), CUJO/CUJA, ONDE. Em Inglês, são representados por WHO, WHOM, WHICH, THAT.

A. WHO = QUE, O QUAL, A QUAL, OS QUAIS, AS QUAIS. Tem como antecedente uma pessoa e funciona como SUJEITO. Usado em frases restritivas e explicativas:

The man WHO works hardly is a good man ( O homem QUE trabalha duro é um homem bom).
The man, WHO is a very contraditory being, destroy the nature (O homem, QUE/O QUAL é um ser contraditório, destrói a natureza).

B. WHOM = QUE, O QUAL, A QUAL, OS QUAIS, AS QUAIS. Tem como antecedente uma pessoa e funciona como OBJETO do verbo seguinte.


The man WHOM I visited was very well (O HOMEM que eu VISITEI estava muito bem).
*Note que, diferentemente, do caso anterior, há duas pessoas envolvidas e uma delas é OBJETO DIRETO do verbo VISITEI (visitei quem?).


C. WHICH = QUE, O QUAL, A QUAL, OS QUAIS, AS QUAIS. Tem como antecedente coisas ou animais e funciona como SUJEITO ou OBJETO do verbo seguinte, tanto em orações restritivas como explicativas.

The thing WHICH I like best is playing guitar (A coisa QUE eu mais gosto é tocar violão).
The dog, WHICH is man's friend, sometimes doesn't behave itself well (O cão, QUE/O QUAL é amigo do homem, às vezes não se comporta bem).

The dog WHICH is black is not here anymore (O cachorro QUE é preto não está mais aqui).

D. THAT = QUE, O QUAL, A QUAL, OS QUAIS, AS QUAIS. Tem como antecedente pessoas, coisas ou animais e pode ser utilizado como SUJEITO ou OBJETO do verbo seguinte. Nunca é utilizado em orações explicativas.

The man THAT works hardly is a good man. ( O homem que trabalha duro é um bom homem).
*Neste caso, note que o pronome THAT substitui corretamente o pronome WHO, funcionando como SUJEITO e tendo como antecedente uma pessoa.

The man THAT I visited was very well (O homem que eu visitei estava muito bem).
*Neste caso, perceba que o pronome THAT substitui corretamente o pronome WHOM, funcionando como OBJETO e tendo como antecedente uma pessoa.
The thing THAT I like best is playing a guitar (A coisa que eu mais gosto é tocar violão).
*Registre-se, no presente caso, que o pronome THAT substitui corretamente o pronome WHICH, funcionando como OBJETO e tendo como antecedente uma coisa.
The chair THAT is broken isn't mine (A cadeira que está quebrada não é minha).
*Veja que o pronome THAT funciona como SUJEITO do verbo, relaciona-se a uma coisa e substitui adequadamente o pronome WHICH.
*Como THAT não funciona em orações explicativas, os períodos abaixo precisariam ser reformulados:

1. The man, THAT is a contraditory being, destroy the nature (ERRADO).
2. The dog, THAT is man's friend, sometimes behave himself well (ERRADO).

Na oração 1, o correto seria WHO em vez de THAT; na oração 2, a forma adequada seria WHICH, em vez de THAT.

E. Pronome zero: Quando os pronomes relativos funcionarem como OBJETO do verbo seguinte, poderão ser omitidos, sem prejuízo de significado. A omissão só poderá acontecer em frases restrititivas, não-explicativas.

The man (THAT) I visited was well.
The dog (WHICH) is black is not mine.

Um abraço e até a próxima postagem.

Cassildo.

5 de mar de 2010

POR QUE A MEDIOCRIDADE ATRAI?

Uma das questões que me intrigam é o fato de a mediocridade ser considerada uma estratégia bem escolhida nos dias atuais. A imbecilidade (expressão, por si só, grosseira) atingiu limites inimagináveis. E isso acontece em todos os níveis, segmentos ou áreas.
A primeira, e talvez a pior, é a crítica destrutiva ou a infâmia. Denegrir a imagem alheia parece que virou moda, muito devido também ao incentivo vindo da televisão, por exemplo. As pessoas se excitam em dizer coisas negativas das outras, no âmbito pessoal e profissional. Saem falando tudo aquilo que vem à cabeça, mesmo que presumam não ser verdade. E eu pergunto: aonde iremos parar, se queremos que nossos filhos não sigam maus exemplos? Ou queremos que isso aconteça?
Antes de a escola pregar boas normas de conduta, valores, ética, harmonia, seja o que for mais, os pais que se dizem exemplares precisam agir no sentido de fazer valer os bons costumes. Caso não consiga levar uma vida de referência, que pelo menos realizem suas atitudes condenáveis fora do contexto em que seus descendentes estejam inseridos. É muito fácil cobrar mudanças do Governo, da Escola, da Sociedade. Mas é preciso entender que tais transformações só acontecerão a iniciar do lar, de onde tais costumes (bons e ruins) sairão e tomarão conta do exterior.
Vamos dar um basta na mediocridade. Vamos combater atitudes mesquinhas, dando exemplos, mostrando que se deve, de vez em quandp, ficar no lugar do outro, para tentar imaginar o que sentiria com determinadas ações que cometemos. Sonhar assim não é utopia, é obrigação, mais que obrigação, é um direito. Como uma frase de certo texto que li "arrumar o homem é a tarefa das tarefas, se é que se quer arrumar o mundo".
Um abraço.
Cassildo.

INÍCIO DE TRABALHO

Iniciei, esta semana, na Escola Estadual "Tristão de Barros", o trabalho como Professor de Língua Inglesa. Encontrei lá várias pessoas conhecidas, algumas das quais foram meus professores, como Marquinhos e Marliete. Erleilson (mais que colega, um irmão) é um dos integrantes dessa turma comprometida com o trabalho sério.
Espero, sinceramente, que possa dar a minha contribuição como um cidadão que acredita na educação transformadora, capaz de fazer os alunos pensarem, refletirem, discutirem, concluírem.
Estarei sempre à disposição no que for preciso, na tentativa de realizar um trabalho como merece ser o da educação.
Um abraço!!