2 de abr de 2011

PROPOSTA DE CONSTRUÇÃO DE PARÁGRAFO DISCURSIVO - CENTRAL DE CURSOS E CEDAP (SANTA CRUZ)


Numa audiência com debates acalorados, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado reuniu nesta quarta-feira defensores e opositores do projeto de cotas nas universidades federais. Embora a proposta só beneficie quem cursou o ensino médio em escola pública, prevendo uma subcota para negros e índios variável em cada estado, foi a questão racial que dominou a discussão.

De um lado, o doutor em geografia e articulista Demétrio Magnoli e o cientista político Bolívar Lamounier faziam críticas pesadas ao projeto. De outro, o juiz federal do Rio William Douglas, professor voluntário da Educafro, uma ONG que oferece pré-vestibulares para estudantes negros, e o procurador do Estado do Rio de Janeiro Augusto Werneck saíam em defesa das cotas.

Magnoli exibiu imagens de crianças brancas e negras em sala de aula e usou recursos gráficos para indicar que as cotas vão separá-las.

- É passar uma fronteira no meio dessa classe (a da foto), do povo, das favelas. As raças não existem, o único jeito de criar raças é através da lei. É uma vergonha o que se está discutindo aqui – disse Magnoli.

Segundo ele, é “demagogia barata” falar em reparação do que ocorreu durante a escravidão, pois, afirmou Magnoli, os negros de hoje tiveram ancestrais brancos, assim como os brancos têm antepassados negros, dado o alto grau de miscigenação.

Já o juiz Douglas disse que os negros pobres são mais discriminados do que os brancos pobres. Por isso, argumentou ele, a reserva de vagas deve levar em conta não só o fato de o aluno ter estudado em escola pública, como também critérios raciais.

- Como ouvi de um aluno meu: ‘A polícia, para bater na gente, sabe exatamente (quem é negro).’ A gente dá um fusca para um, uma Ferrari para outro e depois quer falar em igualdade.

A reunião mostrou que os integrantes da CCJ estão divididos sobre a cota racial. Mas há consenso de que é preciso instituir uma cota social, ou seja, um sistema que beneficie fatia mais pobre da população.

O Sistema de cotas universitárias para estudantes negros e indígenas tem sido um assunto bastante discutido no Brasil, dividindo a opinião de estudiosos, intelectuais e autoridades políticas, em muitos segmentos. Com base nesse fato, construa um parágrafo DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO posicionando-se CONTRA ou a FAVOR das cotas raciais, com argumentos claros, coesos e coerentes, em prosa, na norma culta da língua.

Nenhum comentário: