11 de set de 2011

DIA 11 DE SETEMBRO - NÃO HÁ MAIS O QUE DIZER

O artigo que começo a escrever é simplesmente para dizer que fiquei sem conteúdo o qual possa fazer referência ao atentado de 10 anos atrás. Lembro-me de que estava trabalhando na sede da Prefeitura Municipal de Currais Novos, quando alguém ligou para minha chefe falando da notícia, que se encontrava já na internet.

A sensação de medo tomou conta de todos. Alguns falavam da possibilidade de uma terceira grande guerra; outros diziam que o Brasil poderia ser um país onde houvesse terroristas escondidos. Muitas histórias. O fato é que milhares morreram, até mesmo sob o olhar desconfiado de alguns defensores da manipulação daquele fatídico dia.

Não vou opinar sobre este assunto, muitos já o fizeram, parece faltar temas na mídia. Reportagens e mais reportagens estampam capas das principais revistas, ocupam espaço na televisão e internet. Quem sou eu para tentar concorrer com esses meios!? O fato é que esse tempo parece ter passado voando. Eu tinha apenas 23 anos, estava praticamente iniciando o curso de graduação e hoje já passei da casa dos trinta, estou casado, trabalhando bem mais do que antes. Mas, tenho certeza, para as famílias dos mortos é como se o pesadelo nunca acabasse.

Por isso, apenas como recomendação, em respeito a tais famílias, não vamos comparar as coisas equivocadamente e dizer que os Estados Unidos mereceram o atentado. Podem até cogitar que os próprios americanos tenham planejado tudo, só não podem desconsiderar que pessoas inocentes morreram. Mais que isso, independentemente da inocência, não tiveram como se defender. Tudo foi muito brutal.

Mas, repito, não opinarei sobre o tema, apenas sugiro refletir o que aconteceria caso viéssemos a sofrer mesma tragédia. Falar que foi merecido é fácil. Mas não vamos aderir à "modernidade" barata. Sim, porque ficou, depois dessa catástrofe, muito viável defender terroristas alegando que a América do Norte sempre agiu covardemente com os demais países. Isso, em momento algum, apaga o que foi aquele dia de terror para o mundo.

Um comentário:

Rodrigo Raniere de Oliveira disse...

Cassildo, ler textos produzidos por você é ver ser renovada a esperança de que um dia a língua Portuguesa será salva. Valeu amigo, sucesso.