12 de ago de 2012

O voleibol dá uma lição ao futebol



Enquanto esperávamos que o futebol, tido como nosso esporte predileto, fosse - pela primeira vez - conquistar uma medalha de ouro, o destino em sua ironia colocou o voleibol feminino - longe de ser favorito nestas Olimpíadas - como um campeão de vergonha, pela superação. Observemos nós a postura dos jogadores de vôlei, mesmo quando perdem, e observemos as atitudes dos jogadores de futebol. Não há salto alto com treinadores do estilo Zé Roberto e Bernardinho. Há muito trabalho e pouca badalação. Esses caras são super premiados e mantêm a serenidade e seriedade. Acho que são modelos para todos os outros esportes. Mas não apenas eles, e sim as pessoas que coordenam o esporte, a mentalidade e consciência de longo prazo, como deve ser tudo que tende a dar certo.

O voleibol masculino está, no momento em que escrevo este artigo, disputando o ouro com grandes chances de ganhar (já vence por 2 sets a 0). Independentemente do resultado final, fico à vontade para dizer que há algum tempo, deixamos de ser o país do futebol e passamos a ser o país do voleibol. Continuarei sendo o mesmo futebolista de sempre, mas tenho de admitir que a nação passou a acompanhar efetivamente o voleibol; esse esporte se incorporou aos cidadãos brasileiros de maneira muito positiva.Diria que só falta haver a inversão nos altos salários que os cartolas e atletas do futebol recebem, muitos deles sem merecer; isso deveria ser ao contrário, até pela organização que aqueles que coordenam as quadras demonstram em relação aos que coordenam os campos.

Nos últimos 20 anos, o nosso futebol masculino chegou a 3 finais de Copa do Mundo e levou 2; nas Olimpíadas, nunca conseguiu passar da medalha de prata (3 ocasiões); as meninas – por duas vezes – foram prata nas Olimpíadas (2004 e 2008) e – em outras duas ocasiões – foram vice-campeãs mundiais de futebol (2007 e 2011). Marcas que poderiam ser melhores considerando que sempre fomos titulados como o “o país do futebol”. Já no voleibol feminino, somos 2 vezes medalhistas de bronze (1996 e 2000) e 2 vezes conquistamos medalhas de ouro (2008 e 2012); embora nunca tenhamos conquistado Campeonatos Mundiais, somos várias vezes campeões do Grand Prix. No voleibol masculino, as conquistas dispensam comentários: bicampeões Olímpicos (1992, 2004 e, possivelmente, 2012), Mundiais, 9 vezes Campeões da Língua Mundial e inúmeras outras conquistas menos relevantes. Comparando o tempo que se jogam os dois esportes, na minha cabeça, o voleibol ganha com folga.

Temos talentos, mas só isso não basta; se o voleibol não tivesse mudado a mentalidade, a fim de se adequar aos novos tempos, a fim de se profissionalizar de fato, não apenas em relação a altos salários (como acontece em muitos casos), não estaria no posto que ocupa hoje. Já vemos jogadores como Dante receberem como se fossem jogadores de futebol, mas isso é consequência natural do crescimento e do merchandising que se tem quando algo se torna “a bola da vez”. Ao futebol resta aprender a lição de se organizar, acabar com velhos vícios e os cartolas ultrapassados que nada entendem de do esporte e que desejam apenas usufruir financeira e socialmente das categorias de base que ainda restam em alguns clubes, firmando acordos com empresários de idoneidade duvidosa. O Brasil está se tornando o país do voleibol e isso é um recado ao futebol.

Nenhum comentário: