18 de dez de 2012

CONCLUINTES DO EETB: COMIGO PARA SEMPRE

 
03 de março de 2010. Lá se vão quase 3 anos, desde que iniciei minha trajetória profissional a serviço da Secretaria de Educação do Rio Grande do Norte. A escola que me foi atribuída: Tristão de Barros. Uma missão árdua por ser, já naquela época, a referência no ensino médio de Currais Novos. Um programa novo estreava, o chamado Ensino Médio Inovador. Eu, juntamente com as primeiras séries “A”, “B”, “C” e “D”, hoje transformadas em 3ªs. “A”, “B” e “C”, éramos os debutantes da vez: muitas incertezas, principalmente pelo novo modelo, baseado em regime semestral e com matérias optativas, o que apavorava a todos. Mas, quem se importava? Afinal, havia muito tempo para nos adaptarmos. 

Realmente, nos adaptamos, e como nos adaptamos! Mas o tempo que tínhamos, ao contrário, passou como um meteoro, como se não tivéssemos percebido a sua velocidade; aqueles quase meninos e meninas sustentam-se – hoje – como homens e mulheres cheios de sonhos, de objetivos – alguns mais, outros menos – mas todos querendo de alguma forma uma posição digna num mundo tão cruel e seletivo. 

Parece que foi ontem que encontrei alunos já conhecidos de turmas preparatórias ao processo do IFRN; parece que foi ontem que comecei uma parceria com vocês, iludido pelo desejo de que tudo demorasse mais um pouco; parece que foi ontem que começamos as nossas discussões; parece que foi ontem que tivemos os primeiros estresses, alguns dos quais provocaram a antipatia de alguns pelo mestre até hoje; parece que foi ontem que prometemos avançar o máximo possível numa matéria normalmente deixada de lado pelos seus condutores e conduzidos (hoje, menos do que antes), e que assustava a todos; parece que foi ontem que comecei a dizer minhas besteiras na sala de aula, a fim de tornar dinâmica e menos rígida a nossa atuação; parece que foi ontem que comecei a ter esperanças de que cidadãos seriam formados, antes de qualquer coisa, e esta era a nossa função principal.

Essa despedida será diferente; talvez para outros, será mais uma conclusão de turmas de 3º ano; não para mim, porque me trevo a dizer que entramos juntos para o ensino médio; estreamos juntos; discordamos, sim, várias vezes, e que bom que isso tenha acontecido, pois a divergência é matéria essencial até mesmo para o crescimento mundial; a ninguém é dado o direito de ter exclusivamente a verdade em seu poder; houve aborrecimentos, houve confrontos de gerações e opiniões; mas houve e tem havido verdade, também, o prazer em estarmos juntos, em dividirmos um mesmo espaço, em termos objetivos comuns, que é o crescimento geral, em primeiro lugar, do ser humano. 

3ªs. “A”, “B” e “C”, saibam que sou eternamente grato a vocês por me permitirem avançar em minha profissão; sem vocês, eu não seria o mesmo; não seria o mesmo professor, não seria o mesmo homem, não seria nem o Cassildo chato nem aquele que brinca nas horas vagas, que faz a “resenha” ficar mais agitada, que chama a todos de “mala” e de “sonso”; sem vocês, eu não seria eu, a minha história no Tristão de Barros talvez até passasse despercebida. Foi muito bom ter aprendido com vocês, ter ensinado alguma coisa a vocês, ter dado bronca quando achei que era necessário, ter aliviado as coisas quando era prudente. Agradeço profundamente a oportunidade de ter convivido com cada um, o privilégio de expressar minhas idéias e a dádiva da convivência, em seu todo sadia.

Perdoem-me aqueles com os quais não adquiri tanta afinidade; perdoem-me aqueles que porventura magoei pela minha maneira sincera e transparente de ver as coisas; afinal, somos todos seres humanos e – graças a Deus – eu erro bastante. Saiba que meu coração não comporta rancores, pelo contrário, ele é eternamente grato a todos; àqueles que têm mais aproximação comigo, que esta ligação seja infinita, aos outros, nunca é tarde para haver convergência.

Muito obrigado por tudo, Deus os abençoe sempre; eu os levarei comigo...

Para sempre!

Nenhum comentário: