15 de jan de 2013

PRODUZIR TEXTOS É RE-ELABORAR-SE CONTINUAMENTE


                Neste ponto de nossos estudos, convém lembrar que a produção de textos é uma atividade que implica um processo de criação inicial ao qual segue sempre um processo de re-elaboração. Isso significa que não há texto que já nasça pronto; é necessário sempre um trabalho de avaliação do que se escreveu e de correção e aprimoramento. Não estamos falando aqui de avaliação e correção no sentido de atribuição de conceitos para efeito de aprovação ou reprovação. Estamos falando do desenvolvimento da sua própria capacidade de ler e reler o que escreveu a fim de melhorar seu texto e torná-lo mais eficiente. Para isso, é importante que você leia o que escreveu com distanciamento crítico, procurando colocar-se no papel do leitor. Ao fazer isso, pergunte-se o tempo todo se o que você está captando com a leitura é o que você espera que o seu leitor capte. Há várias operações que você pode realizar a fim de aprimorar seu texto; cortar palavras ou expressões excessivas, substituir palavras ou expressões por outras mais claras e precisas, inverter seqüências para obter maior clareza ou expressividade, reordenar idéias, argumentos ou dados para conseguir uma exposição mais bem-ordenada. Saiba que esses procedimentos são parte do cotidiano dos profissionais da escrita – jornalistas, redatores, escritores, poetas vivem mexendo e remexendo seus textos.  
                No caso dos textos falados, os processos de revisão e reorganização são conduzidos durante o próprio desenvolvimento do texto. Você deve desenvolver a capacidade de perceber se seu texto está atuando como planejado de remanejá-lo em direção ao que você pretende. É quando surgem expressões como “talvez seja melhor dizer de outro modo”, “acredito que isso ainda não ficou bem claro, por isso vou voltar ao assunto”, “é melhor pensarmos numa outra forma de encaminhar esta conversa” e outras, que indicam claramente a alteração dos rumos do texto.

Extraído de INFANTE, Ulisses. Curso de Gramática Aplicada aos Textos. 7.ed. São Paulo, Scipione, 2008.

Nenhum comentário: