21 de set de 2013

POR QUE A CONVIVÊNCIA É TÃO DIFÍCIL






Cassildo Souza

Toda relação perfeita é mentirosa e toda convivência é dolorosa na sua construção, pois no meio  do caminho muitos acontecimentos parecem tornar inviável a concretização dos elos.  Dividir experiências é, de fato, um desafio que - em tempos ditos modernos - tornou-se ainda mais complexo. Os egos inflados têm habilidosamente se destacado na tentativa de minar as relações.

Por mais que se tente contrariar a lógica dos relacionamentos, existe um elemento central que interfere decisivamente no andamento desses processos: o orgulho humano. Este ingrediente é letal: começa devagar, mas aumenta silenciosa e rapidamente até alcançar níveis intoleráveis para quem deseja compartilhar um vínculo afetivo. Não se admitir um erro, não aceitar uma bronca que, no final, pode ser benéfica, repreender na hora errada, julgando-se o dono da razão, sempre provocará tumulto entre os envolvidos.

São eventos próprios da natureza humana. Decorrem da proximidade natural existente entre seres que convivem, às vezes, diariamente: um pai e um filho, dois irmãos, um professor e um aluno, colegas num mesmo ambiente de trabalho. Não deveria ser assim, mas o tal orgulho acaba confirmando que temos muito ainda a aprender. Nós, que nos consideramos tão espertos, somos dominados de um sentimento que nem sempre faz bem, especialmente quando o assume o significado mais próximo de egoísmo.

Precisamos nos despir desses elementos que só nos fazem mal. Uma convivência desgastada só corre o risco de acabar de vez com uma relação de qualquer natureza. Não somos seres isolados, nem podemos achar que a nossa espécie sobreviveria se assim fôssemos. Um bom começo para que as relações humanas sejam duradouras é admitir que somos truculentos, às vezes; intransigentes quase sempre; egocêntricos constantemente. O resto são ajustes simples que qualquer conversa poderá resolver. E a resposta ao título do texto também se tornará mais fácil de ser formulada. 

Nenhum comentário: