17 de jun de 2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TEXTOS DISSERTATIVOS


01. O que é um texto dissertativo-argumentativo?

É um texto que tem como base principal a opinião expressa através de argumentos. Os gêneros dessa natureza são os preferidos dos vestibulares. Compreende a DISSERTAÇÃO-ARGUMENTATIVA (que é uma abordagem mais geral), o ARTIGO DE OPINIÃO e A CARTA ARGUMENTATIVA. Os dois últimos passaram a ser bastante utilizados nos processos seletivos e são abordagens mais específicas. Desde 1998, o texto escolhido pelo ENEM é a DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA EM PROSA (ou TEXTO ARGUMENTATIVO, ou, ainda, TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO).

02. Qual a diferença entre artigo de opinião e carta argumentativa?
A diferença entre eles, além da estrutural, está na função comunicativa de cada um. Enquanto um artigo é feito pensando-se em vários leitores, sem um direcionamento específico, a carta-argumentativa é produzida com um destinatário certo, conhecido. Por isso, as manifestações da linguagem são diferentes para cada um. A carta constitui uma espécie de diálogo entre emissor e receptor.

03. Quantos parágrafos deve conter um texto de natureza dissertativa?

A maioria dos alunos acha que um texto de cunho dissertativo só deva ter três parágrafos, o que não está totalmente correto. Pode conter a partir de três, compondo a estrutura introdução, desenvolvimento e conclusão, mas se considerarmos que o desenvolvimento poderá apresentar mais de um parágrafo, esse número varia. Tudo depende da maneira como o candidato organiza suas idéias na introdução. 

04. Que temas provavelmente cairão na redação do ENEM e vestibulares 2014?

A variedade de temas é muito grande. Algumas universidades tendem a cobrar mais alguns assuntos do que outros. Geralmente, aqueles que interessam à sociedade são os preferidos pelas bancas, incluindo-se a do ENEM. O importante é estar informado sobre tudo e preparado para seja qual for o tema escolhido. A FUVEST, por exemplo, escolhe temas bastante abstratos como o consumismo. Nos tópicos deste blog (lado direito) há uma lista de assuntos que podem ser objeto dos processos seletivos.

05. Que construções devem ser evitadas no desenvolvimento do texto?

Um dos aspectos avaliados pelos vestibulares é a originalidade do texto. Portanto, devem-se evitar expressões já conhecidas como “Desde os primórdios da humanidade”, “venho por meio desta”, “portanto, concluímos que”. Lembre-se de que o texto é seu e, logo, as palavras devem ser suas.

06. Qual a importância do título nas redações de vestibular?

Depende muito da banca. Tem-se observado que a falta do título numa DISSERTAÇÃO não influi na avaliação, mas no caso do ARTIGO, o título faz parte da formatação. Se o vestibular exigir o título, coloque-o, pois, nesse caso, a banca considera-o importante para a estrutura do texto. E não confunda TEMA com TÍTULO: enquanto aquele diz respeito, grosso modo, ao assunto, este é atribuído pelo aluno e funciona como um tipo de manchete para o que será tratado. O Enem cobra título em suas propostas de redação, ficando a critério do candidato a sua atribuição.

07. O que faz zerar a redação no ENEM e vestibulares?

Fugir ao tema ou ao gênero / tipologia textual, ou ainda se apresentar totalmente incompreensível. Por exemplo, se é solicitada uma dissertação argumentativa e o candidato produz uma narração, o texto não será considerado. Outro erro que faz eliminar o candidato é assinar a DISSERTAÇÃO. A partir do ENEM / 2013, dada a repercussão de alguns textos contendo trechos inviáveis, como hino do Palmeiras e receita de miojo (2012), foi acrescentado um item que anula a redação contendo trechos deliberadamente desconexos com o tema proposto. Ainda no caso do Enem, será considerado "insuficiente" o texto que contiver menos de 8 linhas.

08. Qual a estratégia mais eficiente para se melhorar em redação?

É uma pretensão dizer que alguém já esgotou as dúvidas em redação. Trata-se de um processo contínuo, em que a leitura é fator preponderante. Mas essa leitura precisa ser acompanhada de uma prática e deve ser realizada com consciência, pois o mau leitor dificilmente conseguirá ser um bom redator. Tudo precisa começar na escola, desde os primeiros anos de estudo.

09. Que tipos de texto devem ser lidos?

A variedade de gêneros ajuda muito, mas o conteúdo precisa ser consistente, precisa haver informações úteis e estrutura bem organizada. Podem-se ler os gêneros jornalísticos ou  literários, as charges, os quadrinhos, as tirinhas, etc. O importante é o contato constante com as palavras e com formas não-verbais.

10. É errado empregar exemplos para ilustrar os argumentos?

Não é errado, mas se os exemplos ilustram, eles hão de ser considerados acessórios e não principais. Não deve haver exagero. Encher o texto de exemplos, sem nenhuma relação contextual, prejudica mais do que ajuda na redação. O exagero não pode ser a marca registrada, deve haver equilíbrio, como tudo que se faz em nossa vida. 

11. O que fazer, caso erre uma palavra e queira corrigi-la?

A maioria das universidades orienta que seja riscada a palavra errada e colocada entre parênteses. Em seguida, o aluno deve escrever o vocábulo corrigido. Mas é bom deixar claro que isso não faz tanta diferença na hora de se avaliar o texto. 

12. Mitos que precisam ser desfeitos

Alguns candidatos se preocupam mais do que o normal quanto à formatação do texto. Por exemplo, o fato de se esquecer a data numa carta argumentativa ou o título no artigo não prejudica tanto como se pensa, o texto é analisado como um todo e casos desse tipo não influenciam na opinião do aluno. Rasuras ou erros não reincidentes não têm penalização na prova do ENEM.

Para a banca, o importante é haver compreensão e todos sabem da dificuldade que é escrever sob pressão. Não é como pegar a proposta, levar para casa e depois de uns dias entregá-la. Tudo deve ocorrer naquela hora e isso, é claro, não é uma situação corriqueira.

A expressão "no registro culto da língua" faz os vestibulandos pensarem que devem utilizar as palavras mais complexas do dicionário. Outro pensamento equivocado. Apenas se orienta que o candidato não cometa erros gramaticais e evite coloquialismos. A escolha das palavras é altamente subjetiva, é de autonomia de quem escreve o texto, desde que adequada à situação comunicativa. 

13. O que é pseudônimo?

Quase todo mundo ouve esse nome, mas alguns ainda não conseguem saber o que significa. Trata-se de um nome fictício, que as bancas indicam para os candidatos assinarem o seu texto: Artigo de Opinião ou Carta-argumentativa. Esse nome serve para compor a formatação do gênero textual indicado e, principalmente, para que o aluno não seja identificado, já que o processo seletivo vestibular é bastante sério. O aluno que esquecer o pseudônimo é penalizado, mas não zera a redação. No entanto, àquele que puser o nome original será atribuída a nota zero.Geralmente o pseudônimo é formado por dois substantivos, um próprio e outro comum. Por exemplo: Gil Potiguar, Juraci Poti, Fernando Rio, etc. No caso da redação do ENEM, não há assinatura nem mesmo com pseudônimo. É bom ficar atento a esse detalhe.

14. O que é texto em prosa?

De uns tempos para cá, os vestibulares resolveram indicar nas propostas de redação que se deve escrevê-la na linguagem habitual, com a estrutura a que estamos acostumados, ou seja, com parágrafos e linhas até o final da folha ou, simplesmente, TEXTO EM PROSA. Como as pessoas, à maioria das vezes, não sabem diferenciar PROSA e VERSO, acabam confundindo-se e escrevendo a redação em estrofes. Saiba que essa orientação mais atrapalha do que ajuda, mas serve para exigir que, caso o candidato escreva o texto em ESTROFES, com rimas e versos, estará eliminado do processo seletivo. Então, para não complicar, basta compreender que o texto deve ser escrito sem rimas, sem a estrutura de um poema. Não vamos zerar a redação só por causa desse detalhe.

2 comentários:

Leonardo Assis disse...

Saudações, professor. Obrigado pelas postagens relacionadas ao Enem e vestibulares de maneira geral.
Eu descobrir o seu blog procurando dicas de redação para a prova do Enem, graças a Deus eu encontrei o seu blog.
Deus abençoe, e obrigado pelos esforços!

CASSILDO SOUZA disse...

Que bom que gostou, Leonardo. Muito obrigado por acessar e pelas palavras de incentivo. Grande abraço.