29 de dez de 2016

A GRATIDÃO ALIMENTA A HUMANIDADE


A humanidade se alimenta de muitos valores. Muitas ideologias. Às vezes toscas, às vezes necessárias para a continuidade da espécie humana. Coisas dispensáveis para uns constituem obrigatoriedade para outros. E esse contraste parece ser o que temos de mais interessante, mesmo agora num mundo sem graça, violento, hipócrita, mas ainda assim – e por isso mesmo – humano. Fazer retrospectivas, projeções ou promessas compõe um desses aspectos – digamos – “bestial”, sem importância, desnecessário; ou então, indispensável, crucial, fundamental. Estou do lado de cá, posto que ainda não me transformei em uma máquina programada para agir.

O tempo é imensurável em si, mas, estabelecidas as medidas para sua contagem, costumamos prestar contas a nós mesmos a cada período de um ano, muitas vezes mobilizados pela tradição das comemorações (não caberá aqui tratar das razões comerciais subjacentes). O ano de 2016 foi sabidamente complexo não apenas para alguns indivíduos; foi difícil para o país e o para o mundo. Foi estranho, mórbido. Mas é impossível sair de um intervalo de tempo dessa categoria apenas com realizações negativas. Certamente foi um ano de produtividade para muita gente: muitos ganharam um emprego, um amor, um filho; outros concluíram sua casa, sua faculdade, iniciaram seu empreendimento. Muitos se motivaram a buscar certas conquistas. Comigo não foi diferente. Houve momentos positivos e negativos, sendo que os primeiros ainda superam os posteriores.

Talvez tenha sido o ano de maior questionamento sobre meu trabalho, o que entendi como um sinal de que as pessoas me cobram por aquilo que eu possa representar. Não sou mais um iniciante, então a tendência é que esperem mais de mim agora do que em períodos antecedentes. Contraditoriamente, eu produzi mais do que em qualquer outro ano. Busquei mais e melhores formas, tentei adequar-se aos contextos a que me expus. O que poderia ser visto negativamente, então, acaba se incorporando à parte positiva, já que incentiva e encoraja a variarmos os modos como atuamos. Independentemente dos questionamentos, concluímos nossa vertente profissional de modo sereno e responsável, cientes das falhas e de algumas eventuais qualidades.

No âmbito pessoal também não posso reclamar muito. É claro que ser pai à primeira vez estava nos meus planos. Isso quase aconteceu. Poderia ter-me abalado mais do que me abalei, mas as coisas têm seu próprio curso e não podemos ficar lamentando-as eternamente. Isso certamente ocorreu com vários outros indivíduos pelo país, porque são eventos que acontecem diariamente. Temos que agradecer sempre os fatos que nos são atribuídos, simplesmente porque nunca haverá perfeição em nossas vidas. Houve equívocos, os quais podem ser corrigidos para 2017. Só vivemos quando aprendemos com as negatividades. 

O balanço é positivo, em meu entender. Porém, sempre existem desejos a se expressar. Coletivamente, eu desejo um ano de menos brigas ideológicas e mais debate maduro sobre a situação do país; menos arrogância e mais serenidade; mais brio, mais coragem, mais vontade; mais humildade para se admitir os erros e mais humildade para perdoá-los; mais trabalho, mais atitude e menos hipocrisia; mais consciência e conhecimento na hora de escolhermos os representantes; menos militância simbólica e mais concretude naquilo em que se acredita; mais humanidade e menos robotização. 

Agradeço pelo ano que ora se encerra. Estamos de pé, e o mais importante, acreditamos ainda nas melhorias, embora conscientes da situação. Agradeço pelas realizações e pelo aprendizado que 12 meses inevitavelmente nos trazem. 

Apesar de tudo, “Vejo a vida melhor no futuro”, porque é esse otimismo (não forçado) que nos move a continuar buscando crescer sempre.

Que 2017 não seja apenas uma inspiração para se dedicar aqueles desejos clichês como “Feliz Ano Novo”, “Ano Bom”, “Venturoso Ano Novo”. Que seja, de fato, um período de conquistas, de sensibilidade, de gratidão e de muito amor, não o amor das redes sociais, mas o que emana do interior de todos nós.


  video

8 de dez de 2016

MAIS VÍDEOS DO PROJETO "MY FAVORITE SONG'

 
Counting Stars (One Republic)

 
Story of My Life (One Direction)