17 de out de 2009

LÍNGUA PORTUGUESA: TERROR DAS ESCOLAS E CURSINHOS


Gostaria muito de saber, em sendo Professor de Língua Portuguesa e redação, o que anda acontecendo com a mentalidade de algumas pessoas que trabalham com educação direcionada a pré-vestibular. Sempre que é preciso "descartar" alguma disciplina para a substituição por outra de maior "projeção", a escolhida é Português. E, incrivelmente, isso parte de pessoas de quem você jamais poderia esperar.

Eu tenho-me, ultimamente, conscientizado de que meu papel - na contribuição para aqueles que desejam aperfeiçoar-se em escrever melhor - é bem mais difícil do que pensava há alguns anos, quando me aventurei nessa profissão. Eu não posso focar apenas o interesse ou desinteresse do aluno, e sim tenho também que estar preparado para a desatenção dos meus "comandantes" em relação à minha disciplina; ao desinteresse com que tratam, como se fosse apenas uma matéria complementar, para compor uma grade que, pelas convenções, deve ser toda certinha.

Falo isso com uma imensa tristeza, pois o desabafo geralmente remete à uma desculpa antecipada de um fracasso. Não é o meu caso. Longe de ser um narcisista, nunca achei que sou medíocre, embora tenha a plena consciência de que sempre precisarei melhorar. No entanto, procuro desenvolver um trabalho sério e, contraditoriamente, sou mal-interpretado por isso. A ser mal-compreendido pelos meus alunos, posso até concordar em parte. A ser preterido pelos que coordenam as instituições de ensino, fico impressionado como podem essas pessoas desconsiderar a importância da Língua Portuguesa. Porque aqui não se discute a rejeição em relação à pessoa do Professor Cassildo, mas em referência a uma área do conhecimento fundamental em qualquer situação.

Eu nunca vou me acomodar ou me acovardar diante dessas situações. Só não consigo impregnar em minha cabeça que pessoas responsáveis pela educação tenham tal mentalidade. Deve ser por isso que o desempenho médio na redação dos vestibulares é pífio e, também por isso, são vários os profissionais que mesmo tendo cursado o nível superior não escrevem bem, não se fazem entender corretamente. Eu espero - e vou fazer a minha parte - que um dia a nossa língua seja valorizada como merece e que todos - principalmente os que se consideram educadores - possam compreender de uma vez por todas que sem comunicação não há vida fácil.

5 comentários:

Theo G. Alves disse...

é, cassildo. isso representa pra mim um profundo desconhecimento, não apenas dos processos de aquisição e desenvolvimento do conhecimento (profundamente ligado à linguagem), mas também dos processos de seleção adotados atualmente. qualquer pessoa sabe que pra entrar em curso de medicina, por exemplo, não basta apenas ser ótimo em biologia e química, pois é redação é fundamental na classificação geral dos candidatos. são muitos os exemplos. mas a ignorância e a burrice são artigos oferecidos em atacado a preço de varejo, por isso se vê tanto dessas posturas por aí.
abraço!

Anônimo disse...

Amigo Cassildo... Estamos começando a correria dos instantes finais dos nossos alunos que vão para os "vestibulares", ne? Estou preparando revisões para esse ultimo mês de aula e, não poderia ser diferente, tô passando pelo seu blog para tirar idéias, citações e outras coisas que se fazem necessárias para enriquecer minhas aulas. Sempre que trabalho algo seu, falo aos meus alunos desse amigo que tenho e que tanto mim envaidesse em se-lo. Parabéns por esse maravilhoso blog que é util não so para alunos, mas para nós professores.
VALEU AMIGO
RENATA JANAINA

CASSILDO SOUZA disse...

Muitíssimo obrigado, Renata. Você, mais do que eu, sabe o que esse período representa. É uma responsabilidade enorme para nós, principalmente quando queremos fazer as coisas corretamente. Fico feliz em saber que este espaço é útil, acho que nós temos de fazer a nossa parte, né? Desejo-lhe muita sorte nos resultados, pois, afinal de contas, estamos todos no mesmo barco, com os mesmos objetivos e metas, independentemente a que empresa pertencemos.
Um grande abraço.

Daiana Cristina de Lima Sousa disse...

Obrigada por fazer do aprendizado não um trabalho, mas um contentamento. Um dia desses assisti á uma propaganda na globo que exaltava a sua profissão, que pena que nem todos tenham o seu propósito, que é nos ensinar os passos para realização dos nossos sonhos. Obrigada não por ser um professor e sim por ser O PROFESSOR!!
Te admiro. Conte sempre comigo! (Daiana)

CASSILDO SOUZA disse...

Daiana, suas palavras me comovem e me fazem perceber que vale a pena tentar caminhar progressivamente. Espero que as pessoas a quem dedico o meu trabalho possam entender a verdadeira essência do que é contribuir para o crescimento dos outros. Muitíssimo obrigado e conte comigo sempre!