1 de mai de 2015

DIA DO TRABALHO. DIA DOS VERDADEIROS HERÓIS NACIONAIS


O dia 1.º de Maio merece ser exaltado por inúmeros motivos. Se hoje os trabalhadores ainda não estão no paraíso, pelo menos muitos direitos negados no passado recente já são, ainda que lentamente, cumpridos (não necessariamente respeitados, mas cumpridos). O que dizer, entretanto, para aqueles que estão desempregados, excluídos do mercado? O que falar àqueles que são praticamente escravos em algumas empresas, trabalhando num regime subumano por salários pífios, sob ameaça de demissão o tempo todo? O que transmitir aos professores de todo o Brasil, especialmente aos do Paraná, pelas cenas lamentáveis ocorridas dois dias atrás? E aos policiais, que arriscam a vida todos os dias, atuando sem os aparatos de segurança e sem os suportes necessários a boas operações? Aos profissionais da saúde, o que argumentar pelo caos total vivido por eles em hospitais e unidades de saúde que mais parecem depósitos de pessoas?

Não há o que dizer, de fato. Lamentar é o possível, mas não resolve esses problemas. Então, façamos o que manda o bom senso. E ele nos manda reconhecer o grau de heroísmo que os operários de todas as áreas demonstram neste país injusto, mesquinho e autoritário, características que estão totalmente em confronto com a democracia. O bom senso nos diz que devemos aplaudir os trabalhadores da indústria, do comércio, os prestadores de serviço; os heróis da segurança pública, da educação e da saúde; os autônomos, que mesmo não estando vinculado a alguma companhia, pagam os impostos (caríssimos) necessários à sua atuação; devemos enaltecer as domésticas, babás, camareiras, que se dedicam às funções como se estivessem arrumando as próprias casas ou cuidando dos próprios filhos; aplaudir os profissionais isentos da imprensa (nem sempre isso é possível, no Brasil), os quais colaboram muitas vezes em esclarecer casos que interessam à sociedade. Enfim, é preciso agradecer a todos os trabalhadores, pois eles são os responsáveis pela construção de um país que se encarrega todos os dias de desmanchar o que fazem. São eles ainda a salvação desta terra sem comando, que sustenta falcatruas milionárias e diárias a que temos tido acesso ao longo da história.

O que fugir a essa exaltação é, para mim, estratagema para nos fazer acreditar que as autoridades se preocupam com os trabalhadores. Independentemente de quem esteja no poder, tudo não passa de discurso. Os verdadeiros heróis nacionais são os cidadãos comuns, instruídos ou não, que se empenham para dar seu melhor, num custo benefício irrisório para eles e excelente para o país. Aqueles que saem de casa pela madrugada, que pegam no mínimo dois ônibus para chegarem a seus empregos; aqueles que almoçam às pressas para não deixar o trabalho atrasar; aqueles que voltam para casa às oito, nove horas da noite e que, por isso, nem tempo para dedicar à família têm; aqueles que são mortos por acidentes de trabalho, por falta de condições adequadas às atividades desenvolvidas; são essas pessoas as verdadeiras merecedoras de toda a atenção, carinho, respeito e de dignidade, matéria escassa quase sempre na terra tupiniquim.

Como trabalhador, sou testemunha de quão dedicados são os brasileiros. Estou me referindo à regra, e a regra no Brasil é que sua população trabalha demais e pouco vive. Produz muito e ganha pouco. Por mais que recebam salários ridículos, não deixam de dedicar-se. Por isso vive mal. Mas o esforço é constante, é contínuo, é cativante. Um de meus sonhos (mais do que isso, uma utopia) é que um dia esses heróis tenham a recompensa que merecem, ou pelo menos que se aproximem desse reconhecimento. Isso pode (e deve) começar pelos próprios trabalhadores, a cada 2 anos, refletindo bastante antes de digitar certos números em uma urna eletrônica.

Parabéns aos Heróis Nacionais Brasileiros!

Sem vocês, já teríamos falido.

Cassildo​ Gomes Rodrigues de Souza 

2 comentários:

TENTANDO SER... disse...

Cassildo,
Não podemos esquecer também que hoje é o dia da Literatura Brasileira.
Vim a saber disso no site da Olimpíada de Língua Portuguesa

CASSILDO SOUZA disse...

Bem lembrado, TENTANTO SER.
(Só agora tive como responder)

Obrigado por acessar nosso espaço.