11 de set de 2008

PARTICULARIDADES DA CARTA-ARGUMENTATIVA

Em que reside a diferença entre carta-argumentativa e artigo de opinião? Se ambos os textos são de cunho dissertativo-argumentativo, têm bastantes elementos semelhantes. Ambos trabalham com base na opinião de seu autor, mas são gêneros específicos. Aliás, o termo gênero textual refere-se à situação comunicativa, isto é, a quando usar a carta e quando usar o artigo.
A carta-argumentativa caracteriza-se por ser uma correspondência com um leitor definido, específico, em oposição ao artigo, que é produzido sempre se pensando num leitor geral, num conjunto de pessoas geralmente desconhecidas.
A dificuldade dos alunos se apresentam, muitas vezes, em levar isso para o papel. Inúmeros são os casos em que a estrutura é de carta, mas o texto é de artigo como, por exemplo, o texto a seguir:


Currais Novos/RN, 11 de setembro de 2008

Excelentíssimo Senhor Ministro da Educação,

Ao analisarmos os diversos problemas enfrentados pelos brasileiros, percebemos que a educação apresenta-se como um dos mais graves. Apesar da queda do analfabetismo na última década, ainda assumimos uma posição vergonhosa no “ranking” latino-americano.
Essa questão torna-se complexa, pois está relacionada a diversos problemas nacionais como a desigualdade na distribuição de renda, a exploração do trabalho infantil, dificuldades no acesso às escolas, exploração sexual de crianças e adolescentes, perfazendo um conjunto de tristes realidades, que separam cada vez mais, as famílias em situação de vulnerabilidade social do sistema regular de ensino.
As deficiências no processo de ensino-aprendizagem também merecem atenção, principalmente nos primeiros anos escolares. Metodologias de ensino inadequadas, carências de recursos humanos e materiais, péssimo sistema de transporte escolar, além de baixos salários, são elementos importantes que contribuem para a evasão escolar e para a má qualidade do serviço prestado.
Diante de tal situação, precisamos, ainda, percorrer um árduo caminho para que possamos ter um país que veja a educação com a seriedade merecida. Sendo assim, a valorização do magistério, a informatização das escolas, a capacitação profissional, além de um melhor planejamento dos recursos aparecem como estratégias importantes, para transformar o Sistema Educacional em um serviço eficiente e eficaz.

Atenciosamente,

Educalson Brasileiro



Apesar de a formatação ser de carta, não se tem a referência ao destinatário dentro do texto. Expressões como "Vossa Excelência", "Senhor Ministro", ou até mesmo o uso de primeira pessoa do singular dariam ao texto essa indicação. São elementos detalhísticos que denunciam o gênero da carta e que muitas vezes não são considerados pelos alunos. Nesse texto, abordam-se os problemas relacionados à educação, mas de forma muito distante, como se não se fizesse referência específica. Vejamos, para se ter um caráter maior de carta, como ficariam alguns trechos do texto acima.

Ao analisarmos os diversos problemas enfrentados pelos brasileiros, percebemos que a educação apresenta-se como um dos mais graves. Apesar da queda do analfabetismo na última década, ainda assumimos uma posição vergonhosa no “ranking” latino-americano, conforme tomei conhecimento através da imprensa escrita, radiofônica e televisada.

Percebam que o simples fato de se utilizar um verbo em primeira pessoa caracteriza melhor o gênero carta. Assim como em outros pontos:

Diante de tal situação, Excelentíssimo Ministro, entendo que precisamos, ainda, percorrer um árduo caminho para que possamos ter um país que veja a educação com a seriedade merecida. Sendo assim, a valorização do magistério, a informatização das escolas, a capacitação profissional, além de um melhor planejamento dos recursos aparecem como estratégias importantes, para transformar o Sistema Educacional em um serviço eficiente e eficaz.

Como cidadão, espero que o Senhor, como representante maior da Educação Nacional, mobilize os órgãos competentes, principalmente a Presidência da República, para que estas e outras sugestões venham a tornar-se realidade. Confio na sua competência, mas muito mais no seu bom senso, para que a nossa realidade passe a fazer parte de estatísticas bem diferentes.

As indicações em negrito oferecem ao texto anterior um diferencial a fim de que se possa discriminar melhor a carta, dando-lhe características próprias, distinguindo-a do artigo de opinião.

Até a próxima, postem seus comentários, tirem suas dúvidas, preparem-se para o vestibular, com mais segurança. Não deixe a dúvida para o momento das provas, pois, assim, será impossível saná-la.

16 comentários:

Caio César disse...

Muito obrigado pela dica! Sempre tive dificuldade em distingui-las, mas agora 90% da minha dúvida foi tirada pela explicação.

Bruna disse...

Adoooooreeei. Me ajudou muito. Abraços

Anônimo disse...

Rosiane Alves....

adorei....tirou bastante minhas duvidas...eu q quase não sabia como redigir uma carta argumentativa agora tenho quase total segurança em realizar tal tarefa......este site foi de grande serventia........

Anônimo disse...

Cacilda Cassildo!!!

Muito inteligente da sua parte criara esse blog. me ajude muito.
Obrigado

CASSILDO SOUZA disse...

Obrigado a todos os comentários do blog. Faço isso com muito prazer e, mesmo sem tempo, não me dou ao luxo de deixar este espaço desatualizado.

CASSILDO SOUZA disse...

Obrigado a todos os comentários do blog. Faço isso com muito prazer e, mesmo sem tempo, não me dou ao luxo de deixar este espaço desatualizado.

www.coleguinhas+amadas.com disse...

valeu , pelo blog aprendi muito sobre
cartas e artigo de opinião, textos que eu possuía várias dúvidas.

Anônimo disse...

Parabéns você tem uma qualidade rara, de conseguir passar o conhecimento sentindo realmente onde está a maior dificuldade do outro e isso lhe torna único sua percepção é alta abraços.

CASSILDO SOUZA disse...

Obrigado. Na verdade, é exatamente o que eu procuro: perceber o foco, onde existe dificuldade, para poder clarificar algumas coisas, dentro de minhas possibilidades. Abraço!

Anônimo disse...

fiquei em dúvida sobre o destinatário, pois minha professora disse que era indispensável e não tem nesse exemplo de carta. Queria muito sua opinião pois tenho vestibular essa semana.
Obrigado

CASSILDO SOUZA disse...

O destinatário é indispensável, assim como a data, como as saudações e o pseudônimo. Mas isso não significa que se não os colocar, o aluno vai zerar a redação. Você vai perder pontos, mas não será eliminado por esse motivo. Obrigado por acessar e um abraço.

Lara disse...

Quem dera todos os nossos professores tivessem essa simplicidade e clareza para explicar os conteúdos!

CASSILDO SOUZA disse...

Muitíssimo obrigado pelo elogio, Lara. É exatamente o que tentamos, dar clareza e simplicidade às explicações. Grande abraço.

Cecília Boechat disse...

Obrigada, ajudou MUITO

Anônimo disse...

Muito bom mesmo, eu adorei, ta de parabéns, e obrigado por ajudar.

CASSILDO SOUZA disse...

Muito obrigado. Nós temos o maior prazer de orientar adequadamente os alunos de todo o Brasil. Podemos cometer equívocos, mas até para isso contamos também com a ajuda de vocês, internautas. O reconhecimento é a mola-mestra para continuarmos disseminando aquilo que achamos importante. Muitos ainda criticam nossa iniciativa, mas esses certamente não movem as mãos para ajudar os outros. Grandes abraços.