12 de fev de 2009

TIPOLOGIA DO SUJEITO

Veremos a seguir os tipos de sujeito, classificados pela gramática normativa e que têm uma influência muito significativa na concordância verbal (aquela que diz "o verbo sempre deve concordar com o sujeito").

Para uma melhor compreensão, dizemos que o sujeito é aquele sobre o qual se diz alguma coisa. Ele é um referente, um termo que norteia a oração e estruturalmente se apresenta relacionado ao verbo.

1.
Sujeito simples: quando possui apenas um núcleo. Pode ser expresso ou implícito (oculto ou desinencial).

O grupo Roupa Nova tocou neste fim de semana. (expresso)
Procurava a mãe, desesperadamente, a menina assustada. (expresso)
(Nós) Fizemos tudo o que pudemos para reconciliá-los. (oculto, desinencial ou implícito)

2.
Sujeito composto: quando apresenta mais de um núcleo.

Joan
e Kelly
fizeram as pazes.
Ficou Enilson e Ana sem alternativas.(*)
(*) Quando o sujeito é composto e o verbo inicia a frase, a concordância poderá ser apenas com o primeiro termo (neste caso, a forma verbal "ficou" concorda com o primeiro elemento do sujeito "Enilson").

3. Sujeito indeterminado
: existe, mas não conseguimos identificá-lo. O caso mais comum é o que consiste em uma oração cujo pronome pessoal está implícito, na terceira pessoa do plural.

Assaltaram a loja da esquina. Riscaram o meu carro. (Quem?)

Observe-se que, nos casos acima, sabe-se que uma ação foi realizada, mas não se sabe o autor de tal ação.

Sujeito indeterminado pelo índice SE:

Precisa-se de empregados no Japão. (VTI)

· Observe-se que não há como converter a oração acima para a voz passiva, ou seja, o SE não indica passividade do sujeito e sim a sua indeterminação. Isso ocorre quando este vocábulo junta-se a um verbo transitivo indireto ou a um verbo intransitivo. Vejamos outros casos:

Nesta empresa, sai-se a toda hora sem permissão. (VI)
Admira-se aos bons oradores. (VTD com Objeto Direto Preposicionado)


· Quando o índice SE é incorporado a um verbo transitivo direto, pode ser convertido na voz passiva e passa a ser pronome apassivador (partícula apassivadora) e não índice de indeterminação do sujeito. Nesse caso, o sujeito (passivo) deve concordar com o verbo.

Conserta-se bicicleta. (Voz passiva: Bicicleta é consertada.)
Vendem-se carros. (Voz passiva: Carros são vendidos.)

4. Sujeito inexistente
: quando não há referente para uma ação realizada, uma ação sofrida ou indicação de estado.

A) HAVER no sentido de existir, ocorrer ou indicando tempo.
Há muitas crianças sem escola. Houve noites de sol.
Há (faz) três semanas que chove sem parar.

B) Fenômenos da natureza
Trovoa muito nessa época. Está bastante verde nesta região.
Relampeou demais esses dias.

C) SER seguido de hora, data ou indicação de tempo e nas expressões indicadoras de distância.
É 1º de abril. Já são vinte e uma horas. Ainda é cedo.
São cem quilômetros até Caicó.

2 comentários:

gisele_morais19 disse...

Parabéns pelo blog, sempre passarei por aqui, já que estou me preparando para o vestibular e acredito que será de grande valia.

CASSILDO SOUZA disse...

Obrigado, nossa intenção é justamente manter a interatividade com os alunos, dirimindo suas dúvidas e recebendo sugestões também.
Um abraço.