25 de mar de 2009

IMPESSOALIDADE

A impessoalidade caracteriza-se pelo emprego de verbos e pronomes em terceira pessoa do singular, no intuito de conferir ao texto uma isenção, imparcialidade maior. Tanto o emprego exagerado como a sua ausência podem causar prejuízos imensuráveis ao texto. Por exemplo, numa DISSERTAÇÃO-ARGUMENTATIVA, essa impessoalidade é indispensável; num Artigo ou Carta, porém, ela não deve existir. Vejamos alguns exemplos:

A meu ver, o que acontece no Brasil é uma corrupção generalizada e não me admira que isso não mude daqui a cem anos. Percebo o nosso país caracterizado pela falta total de perspectivas e, por isso, nada mais me convence de que um dia viveremos de forma igualitária (Texto marcado pela 1ª pessoa do singular).

Convertendo o trecho para uma forma mais impessoal, teríamos:

Pode-se afirmar que acontece no Brasil uma corrupção generalizada e é possível que isso não mude daqui a cem anos. O país está caracterizado pela falta total de perspectivas e, por isso, é improvável que um dia se viva de forma igualitária aqui. (Texto marcado pela 3ª pessoa do singular/impessoalidade).

Outra forma de converter o trecho seria para a 1ª pessoa do plural, o que também confere certo grau de imparcialidade:

Podemos afirmar que acontece no Brasil uma corrupção generalizada e não nos admira que isso não venha a mudar daqui a cem anos. Percebemos que o nosso país é caracterizado pela falta total de perspectivas e, por isso, nada nos convence de que um dia viveremos de forma igualitária(1ª pessoa do plural).

2 comentários:

Anônimo disse...

muito bem explicado.Parabéns.

CASSILDO SOUZA disse...

Obrigado por prestigiar. Grande abraço!