2 de mar de 2009

TIPOLOGIA TEXTUAL

São três os tipos de redação: descrição, narração e dissertação.

A dissertação caracteriza-se pela discussão de uma problemática, com apresentação de idéias amparadas por argumentações e fatos, culminando com uma tomada de posição ou defesa de princípios.

[...]
Dessa forma, para as agudas inteligências, pouco importa a época para se viver, porque suas idéias são sempre contemporâneas. Por isso que Machado sobreviveu ao tempo, e o filho que antes era, transformou-se no pai de uma produção literária que venceu a barreira convencional do tempo humano, consagrando-se definitivamente no tempo por se fazer sempre contemporâneo.
[...]
Souza, Marcos Leopoldo de. In: A importância de Machado de Assis um século depois de sua morte. Concurso de Redação. Folha Dirigida/Academia Brasileira de Letras, Brasil, setembro/2008.

A narração caracteriza-se por discorrer, contar, relatar fatos, sejam eles fictícios ou reais. Em oposição à descrição, é intensamente dinâmica, por isso predominam os verbos que indicam ação.
[...]
Deitado sobre a mesa, ele brilhava como se estivesse suado. As mulheres diziam ser o sopro dos anjos e repetiam só pode ser o sopro dos anjos. As mulheres que o tiveram em vida estavam lá, ao redor do morto brilhoso. Os maridos aceitavam sem resmungos, mas com pontas de ciúme, essa reconciliação amorosa sem tino. Uma segurava-lhe a mão gelada e dizia surdamente que está mais lindo do que nunca,
[...]
ALVES, Théo. Quando Chegou o morto.


A descrição consiste em retratar com palavras algo que se viu ou se observou, representando um objeto ou uma imagem. Nesse tipo de redação, os verbos de ação estão em segundo plano, dando destaque aos substantivos e aos adjetivos.
Eram sapatos (S) de homem (LA), de bico fino (LA), sem cadarço (LA), de couro marrom (LA). Ainda novos (A). Porém cobertos (A) de uma poeira fina, parecendo açúcar de confeiteiro.
(Heloísa Seixas, Revista de Domingo, Jornal do Brasil, 21-10-2001).

Objetividade e Subjetividade

Ao expor um problema, fazer uma descrição ou relatar fatos, pode-se proceder de duas formas: objetiva e subjetivamente.
Objetivamente, quando se concebe a redação de maneira impessoal, abordando ou discutindo temas genericamente, como se as idéias e os posicionamentos pudessem ser aceitos por todos ou pela maioria. Nesse caso, apesar do modo de enfocar os problemas ser pessoal, dentro da redação deverá ser impessoal, com o verbo na 3ª pessoa ou na 1ª do plural.
Subjetivamente, caso prevaleçam, na exposição, as opiniões de quem as escreve, pelo modo particular de observar as coisas em sua volta. Depende muito do tema sugerido, que deve estar próximo da subjetividade. De uma forma geral, deve ser evitada por se aproximar da narração, tipologia a ser estudada posteriormente.
É preciso, entretanto, ter em mente de que maneira o texto será redigido, para evitar ambigüidades e confusões na compreensão.
Texto subjetivo

Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,
Assim calmo, assim triste, assim magro,
Nem estes olhos tão vazios,
Nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
Tão paradas e frias e mortas;
Eu não tinha este coração
Que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança
Tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida
a minha face?
MEIRELES Cecília. Flor de poemas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1972.
Texto objetivo

O STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou nesta quarta-feira a elaboração de uma súmula vinculante que proíbe a contratação de parentes no Judiciário, Executivo e Legislativo da União, Estados, Distrito Federal e municípios.
O objetivo é aprovar amanhã o texto final desta súmula que tratará dos detalhes sobre as vedações, incluindo grau de parentesco. Com a súmula, a decisão deve ser seguida em todo país.

2 comentários:

Theo G. Alves disse...

rapaz, virar exemplo de aula assim é chique demais! to com essa moral toda não, homem!

:)

obrigado e abração!

p.s.: o danado do erleilson nem apareceu domingo

CASSILDO SOUZA disse...

É porque a gente tem de parar com essa coisa de só dar exemplos de escritores famosos. O conteúdo das coisas em si está na espontaneidade. A qualidade não escolhe ninguém porque é conhecido. Na verdade, os grandes tornaram-se assim pela sua obra e não o contrário.
Um abraço.