28 de mai de 2009

FUGA INEXORÁVEL (Cassildo Souza)

Vai,
Nunca mais terás o meu incômodo
Se possível, perdoa os males que te fiz
Se não, eu me conformarei.
As angústias que te fiz passar
Foram inúmeras, incontáveis.
Esquece de minha presença negativa
Caminha sem lembrar que existi
Não queria estar no seu lugar
Tendo sofrido tanto em mãos cruéis
Como foram as minhas mãos contigo
Inclina-se para coisas boas
Aposenta as recordações sobre mim
Diz o que quiseres,
Critica, bate, massacra conforme teu direito
Sai para longe, para um lugar de paz
Se é assim que me vês,
Eu respeito, tolero, compreendo.
Eu ficarei aqui, sem rumo, sem direção,
Sem caminho ou solução,
Apenas lamentando que essa seja
Tua forma de me ver.

2 comentários:

Dalvaci disse...

ADOREI O BLOG, QUALQUER DÚVIDA EU ETAREI AQUI, NA PONTA DOS DEDOS E NA PONTA DA LÍGUA.KKKK

xero.

CASSILDO SOUZA disse...

OBRIGADO, DALVACI. SAIBA QUE PODE CONTAR COM ESSE HOMEM LOUCO PARA COMPARTILHAR AS COISAS DAS LETRAS E DA LÍNGUA PORTUGUESA. ESTAREI SEMPRE À DISPOSIÇÃO.
UM ABRAÇO.