17 de jul de 2008

ANTI-HORÁRIO (Cassildo Souza)

Quantas mini-depressões!
Quanta vontade de sumir
Viajar por entre átomos.
Quais serão nossas missões,
Aqui neste mórbido lugar?
Que imagem apreciar,
Nestes dias de não sei o que fazer?
Os olhos estão abertos
Fechados em suas convenções
Orgulho ferido é arma
É fogo que queima, inflama
Chama e ardor da glória
Não nos interessam mais.
Por que será que tudo virou ponta-cabeça?
Todos estavam, há bem pouco tempo
Dilacerados pelos choques
Dessa dialética louca
Ontem foi,
Hoje é diferente
Amanhã já não se sabe
E estamos aqui, inertes
Bancando heróis sem causa
No silêncio sem razão.

Nenhum comentário: