30 de abr de 2009

A NOSSA DIFICULDADE NÃO CHEGA A UM DÉCIMO DA DIFICULDADE DO OUTRO

Quem nunca enfrentou dificuldades? Quem nunca se viu tomado por incertezas e questionamentos, quando passando por coisas que não gostaria de passar? Todos temos, em algum tempo, que viver circunstâncias antagônicas, nem que seja para podermos tirar alguma lição e tornamo-nos mais preparados para a vida.
Particularmente, tenho uma facilidade enorme de me complicar com questões que teoricamente são fáceis de solucionar. Tenho uma tendência a posicionar-me de maneira desesperada quando na verdade determinado momento difícil é apenas uma pedrinha na caminhada integral da vida. É aí que precisamos, de forma bastante serena, analisar o quanto somos privilegiados em relação a outras pessoas que estão numa situação bem mais séria.
Quando tivermos de reclamar por algo que não esteja de acordo com as nossas expectativas, lembremo-nos de quantos seres humanos, no mundo, estão passando fome; quantos estão mergulhados nas drogas; quantos estão envolvidos em casos de desonestidade, envergonhando aqueles que os têm como referência; quantos estão acometidos por enfermidades gravíssimas, sem possibilidade de reversão; quantos estão juridicamente impedidos, inaptos a exercer sua cidadania. Somos realmente seres de muita sorte, não?
O conceito das coisas depende muito do parâmetro. Quando estabelecemos um parâmetro muito alto, criando expectativas quase inatingíveis, ficamos também muito exigentes. Não admitimos um nível mais baixo para o que determinamos como meta. No entanto, há coisas que não dependem de nós e o melhor mesmo é poder aceitar com naturalidade as ocorrências, digamos, não previstas. Assim, passamos a entender o quanto somos agraciados por termos amigos, profissão, respeito e reconhecimento. O resto, a poeira do tempo trata de resolver na sua incomparável razão.

4 comentários:

Victor disse...

Concordo! Muito bem dito! Penso o mesmo. Parabéns pelo blog! Já acompanho há alguns meses e é muito gratificando ler seus ensinamentos.

CASSILDO SOUZA disse...

Obrigado pelo comentário, Victor. Nossa proposta é de fornecer conteúdo concreto para as pessoas, num intercâmbio de informações que visem ao crescimento. É a nossa missão social.
Um abraço.

Felipe Cabral disse...

Concordo plenamente com o exposto nesta postagem, Cassildo. A partir do momento que adquirimos sensibilidade para analisar as situações demasiado indesejadas que os outros passam, notamos que vivemos num verdadeiro estado de benção.

CASSILDO SOUZA disse...

É, Felipe. Isso se adquire com o tempo, com a maturidade. Espero que essas mensagens sirvam de reflexão para que possamos vislumbrar um mundo cada vez melhor.
Um abraço.